Brasil será a maior potência energética no futuro, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está convencido de que dentro de "20 ou 30 anos" o Brasil será a principal potência energética do mundo, e assegura que decidiu "apostar" nas alternativas. O jornal Le Monde publicou nesta quarta-feira uma entrevista com Lula, no marco da visita do presidente francês, Jacques Chirac, ao Brasil para uma visita de Estado. Na entrevista, Lula destacou que o País já é auto-suficiente em petróleo e que dentro de dois anos produzirá a maior parte do gás que consome. Segundo ele, o Brasil é o mais competitivo na produção de etanol e de biodiesel e possui projetos para refinar óleo vegetal e misturá-lo ao petróleo. "O Brasil lançou uma revolução energética. Poucos países poderão concorrer conosco na hora de extrair da terra o carburante do futuro, devido à nossa extensão territorial", disse.Bolívia Em relação à controvérsia com a Bolívia, que nacionalizou seus hidrocarbonetos, Lula afirmou que prefere recorrer à negociação parasuperar as divergências. "A imprensa brasileira pede que eu seja duro com a Bolívia. Se eu não sou com a União Européia e com os Estados Unidos, como posso ser com a Bolívia, um país mais pobre e mais desprotegido do que o meu?", questionou. Sobre a posição pública do venezuelano Hugo Chávez, Lula pedepara que "não se misturem ideologia e relações políticas ecomerciais. Chávez não deve fazer isso, já que vende 85% de seupetróleo para os Estados Unidos". São PauloJá em relação à recente crise de violência em São Paulo, o presidente reconhece que o sistema penitenciário vai mal há muito tempo e que os chefes das quadrilhas organizam os crimes do interior das prisões."Mais do que curar o mal, devemos evitar que (a crise) aconteça novamente. O país deve investir fortemente na educação para que nossos adolescentes tenham perspectivas de estudo e de trabalho", afirmou Lula, lembrando que desde sua chegada ao poder, o salário mínimo e o emprego cresceram.

Agencia Estado,

24 de maio de 2006 | 13h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.