Brasil sobe 5 posições no ranking da globalização

Apesar de ter subido cinco posições, o Brasil ainda não faz parte do ranking dos 20 países mais globalizados do planeta, que, pelo terceiro ano consecutivo, mostra a Irlanda à frente. O resultado faz parte do Índice de Globalização da revista de política exterior A.T. Kearney/Foreign Policy divulgado nesta. De acordo com a pesquisa, que engloba 62 países e cobre 84% da população mundial, o Brasil ocupa o 53º lugar. "Em um quadro econômico global oscilante, a Irlanda manteve seus fortes relacionamentos econômicos e relacionamentos pessoais de alto nível com o mundo, o que a ajudou a permanecer no topo enquanto outros países viram sua posição cair em relação à globalização", diz o comunicado da A.T. Kearney, cujo índice mede a integração econômica e o relacionamento pessoal, político e tecnológico em 62 países responsáveis por 96% da riqueza do mundo. Embora o Brasil tenha aumentado a participação em acessos à Internet, ainda apresenta deficiências nas áreas de integração econômica e conectividade pessoal (viagens ao exterior e contatos telefônicos). A classificação, onde aparecem Cingapura, Suíça, Holanda, Finlândia, Canadá, Estados Unidos, Nova Zelândia, Áustria e Dinamarca logo atrás da Irlanda, não traz país latino-americano entre as 20 nações mais globalizadas. A pesquisa da A.T. Kearney/Foreign Policy mostra que a globalização sobreviveu aos obstáculos de 2002, o último ano em que há dados anuais completos. "A integração econômica caiu aos menores índices desde 1998, refletindo um menor crescimento econômico em muitas regiões, os efeitos dos crescentes alertas sobre viagens, a segurança rigorosa em portos e aeroportos, os escândalos empresariais, além da queda do mercado financeiro devido à crise econômica argentina e aos terríveis ataques terroristas ocorridos na Indonésia e no Quênia", afirma o relatório. Dados mais completos nos sites www.foreignpolicy.com www.atkearney.com.

Agencia Estado,

02 Março 2004 | 15h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.