Brasil suspende importação de trigo dos EUA

O Brasil suspendeu temporariamenteas importações de trigo procedente dos Estados Unidos. Osecretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura,Luiz Carlos de Oliveira, informou hoje que a proibição foideterminada na sexta-feira, depois que o Serviço Nacional deSanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa)informou às autoridades brasileiras que um carregamento de trigoamericano, importado pela Cargill Trading, estava contaminadopela Cirsium arvence - um tipo de erva-daninha que se propagafacilmente, afeta a produtividade das lavouras e pode contaminaroutras culturas, como a soja. A detecção desse novo tipo de praga nos Estados Unidosacaba limitando as alternativas de importação para as empresasbrasileiras, na medida em que também estão sendo encontradaspragas no trigo procedente da Europa. Desde o dia 4, cerca de 90mil toneladas de trigo importadas da Ucrânia encontram-searmazenadas nos portos de Fortaleza, Salvador e São Paulo, porapresentarem contaminação pelo fungo Alternaria triticina. Representantes da Cargil estiveram hoje com o secretário informando o Ministério da Agricultura sobre a contaminação dacarga. Oliveira disse que a suspensão foi determinada porqueeste tipo de erva daninha não existe no Mercosul e não hátratamento fitossanitário para exterminá-la. E, portanto, nenhumpaís do bloco pode correr o risco de importar um produtopassível de contaminar as lavouras locais. O governo está buscando alternativas, com as autoridadessanitárias dos EUA, para dar continuidade às importações detrigo americano. Uma das alternativas propostas e que foiavaliada hoje, com o representante no Brasil do APHIS(Departamento de Inspeção de Saúde Animal e Vegetal), órgãovinculado ao Departamento de Agricultura dos Estados Unidos(USDA), é a realização de um exame prévio, feito em cadacarregamento, no país de origem (EUA), para detectar aexistência ou não da Cirsium arvense. Quando a mercadoria ingressar no Brasil, seria realizadamais uma análise. Caso seja aceita pelas autoridades sanitáriasamericanas, esta alternativa terá de ser formalizada no USDAporque implicará modificação da análise de risco aprovada peloBrasil para o trigo produzido naquele país. O secretário informou que este tipo de erva daninhaexiste em todo o território norte-americano. Mas, como asautoridades dos EUA não prestaram essa informação nadocumentação encaminhada para aprovar a análise de risco para otrigo, o governo não sabia da sua existência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.