Brasil tem 28 das 100 empresas mais competitivas da América Latina

O Brasil tem hoje 28 das 100 empresas mais competitivas da América Latina, de acordo com o ranking "100 Competitivas Globais Latino-americanas" da revista "AméricaEconomia", que está chegando esta semana às bancas. Em 11 dos 28 setores industriais e de serviços analisados, as companhias brasileiras aparecem no topo da lista, e, em alguns deles, ocupam do primeiro ao terceiro lugares.Embora a Gerdau, no setor siderúrgico, perca para a argentina Te naris, a multinacional brasileira é classificada como uma das "mais rentáveis e eficientes do mundo". Boa parte das 100 mais competitivas tem presença regional e até mesmo global, indica a revista.No topo estão, por exemplo, a indústria mexicana de cimento Cemex, a construtora brasileira Odebrecht e a companhia aeroespacial Embraer. "Elas entenderam que seu negócio é global e aproveitaram as oportunidades para apresentadas para transformar-se em competidores de preso em seus respectivos setores", informa a AméricaEconomia.O Chile conseguiu colocar nessa lista 23 empresas, enquanto que a Argentina, economia maior que a chilena, têm na lista apenas oito. O México aparece com o maior quantidade de empresa no ranking: 30.A revista informa que a metodologia adotada para a escolha das 100 mais competitivas leva em conta aquelas orientadas a competir nos mercados mundiais, seja pela participação das exportações nas vendas totais, pela incorporação em mercados externos por meio de filiais ou subsidiárias e ainda pela capacidade para resistir à concorrência nos mercados locais.Na área de alimentos, a Iguaçu Café e a Sadia aparecem em segunda e terceira colocações, enquanto que a Perdigão aparece em quinto lugar. Em autopeças, a Marcopolo e Bussacar dominam o setor. No de bebidas, a Ambev, e em calçados, a Grendene e a Azeléia. Já no de celulose e papel, a Suzano, Votorantim e a Aracruz superam às do Chile e México.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.