Valter Campanato/Agência Brasil - 24/4/2019
Valter Campanato/Agência Brasil - 24/4/2019

Brasil tem de olhar guerra comercial entre EUA e China com cautela, diz Mourão

Vice-presidente diz que o governo sabe da importância do mercado asiático e defende que o País inicie um 'relacionamento de confiança' com os chineses

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2019 | 13h51

BRASÍLIA - Em meio à tensão gerada pela guerra comercial entre China e Estados Unidos, o vice-presidente Hamilton Mourão defendeu cautela por parte do Brasil. "A gente tem que olhar essa disputa comercial de forma crítica e cautelosa, não achando que isso vai ser algo definitivo, porque são movimentações de negociações", disse a jornalistas.

Segundo ele, EUA e China têm conomias complementares. "Os Estados Unidos importam muito da China, enquanto a China possui grande parcela dos títulos da dívida pública americana, do Tesouro americano, e, por isso, são complementares. Então a gente tem que ter cautela nisso aí", continuou.

Poucos dias antes de iniciar viagem à China, onde ficará por cerca de dez dias, o vice-presidente afirmou que o governo está em clima de expectativa sobre a proposta que os chineses irão apresentar sobre a chamada Nova Rota da Seda ("One Belt, One Road", ou Iniciativa do Cinturão e Rota), projeto mundial de investimentos em infraestrutura.

A decisão, no entanto, só será tomada após visita oficial do presidente Jair Bolsonaro ao país, em agosto. Uma das condicionantes do governo brasileiro, segundo ele, é a contratação de brasileiros para a realização de obras.

"O investimento tem que vir aonde nós queremos. Tem que ser um investimento que contrate brasileiros e não chineses. Em linhas gerais é isso aí", disse.

Mourão destacou a importância de "iniciar um relacionamento de confiança" para retomar diálogo com a China. "Que os chineses entendam que nós os temos como parceiros estratégicos. É o nosso maior fluxo comercial. Sabemos da importância da China, que hoje tem mais de um terço do produto interno do mundo. No curto, médio prazo pode chegar a ter mais da metade, e a gente tem que se colocar bem nisso aí", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.