Itaci Batista/Estadão
Itaci Batista/Estadão

Brasil tem déficit primário de R$ 6,9 bilhões em maio, o pior resultado do ano

Dado ressalta os desafios na busca pelo reequilíbrio fiscal, num momento de debilidade na economia e na arrecadação

, Reuters

30 de junho de 2015 | 10h38

Atualizado às 12h

BRASÍLIA - O setor público brasileiro teve déficit primário de R$ 6,9 bilhões em maio, o pior resultado do ano, puxado pelo fraco desempenho do governo central. O dado ressalta os desafios na busca pelo reequilíbrio fiscal num momento de debilidade na economia e na arrecadação.

Em 12 meses, o rombo ficou em 0,68% do Produto Interno Bruto (PIB), um pouco melhor que o déficit recorde de 0,76% nos 12 meses encerrados em abril, informou o Banco Central nesta terça-feira.

Os resultados indicam que a meta fixada para este ano ainda está bem longe, de R$ 66,3 bilhões, equivalente a 1,1% do PIB.

No mês, a economia para pagamento de juros da dívida veio praticamente em linha com o saldo negativo de R$ 7 bilhões esperado por analistas, segundo pesquisa da Reuters. Também foi melhor que o déficit de R$ 11 bilhões de maio de 2014.

A linha voltou ao vermelho no mês passado, após o registro de superávits em abril e março, e foi arrastada sobretudo pelo saldo negativo de R$ 8,9 bilhões nas contas do governo central (governo federal, BC e Previdência), abaladas pela baixa arrecadação e elevados gastos com a previdência.

A economia fraca e inflação elevada desenham um cenário sombrio para o País, atingindo em cheio a confiança dos consumidores e dos agentes econômicos. Diante disso, a arrecadação tem sofrido, registrando em maio o pior resultado para o mês em cinco anos.

O BC informou também que os governos regionais (Estados e municípios) registraram superávit primário de R$ 2 bilhões em maio, enquanto as empresas estatais tiveram déficit de R$ 72 milhões no período.

No acumulado do ano até maio, o superávit primário total chegou a R$ 25,5 bilhões, menor que os R$ 31,5 bilhões de igual etapa de 2014.

Diante do mau desempenho, muitos analistas já esperam redução na meta de primário deste ano, mesmo após o contigenciamento no orçamento de R$ 70 bilhões, elevação de impostos e adoção de medidas para moderar benefícios trabalhistas e previdenciários.  

Câmbio. O BC informou ainda que, em maio, o gasto com juros nominais chegou a R$ 52,9 bilhões em maio, diretamente afetado pela despesa de R$ 22 bilhões com as operações de swap cambial - equivalente à venda futura de dólares - diante da desvalorização do real no período, contribuindo para o déficit nominal de R$ 59,8 bilhões no mês.

Já a dívida pública bruta representou 62,5% do PIB em maio, contra expectativa do próprio BC de que atingisse 61,9% no período. A dívida líquida, por sua vez, ficou em 33,6% do PIB, indo ao exato encontro da projeção do BC para o mês.

(Por Marcela Ayres e Alonso Soto)

Tudo o que sabemos sobre:
banco centralcontas públicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.