Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Brasil tem grande interesse de fortalecer a OMC

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou hoje que o Brasil tem grande interesse em fortalecer a Organização Mundial do Comércio. "Em termos de comércio global, sebretudo com os países desenvolvidos, a OMC continua sendo a grande arena, o principal fórum onde podemos obter vantagens efetivas para os pontos cruciais da nossa agenda comercial", disse o ministro, durante audiência na Comissão de Relações Exteriores da Câmara. Ele ressaltou que isso não significa abandonar os outros fóruns de negociações como a Alca, Mercosul e acordos bilaterais. Amorim voltou a afirmar que o Brasil saiu fortalecido da quinta reunião ministerial da OMC, realizada em Cancún na semana passada. Ele lembrou que nos próximos dias os negociadores vão analisar os resultados da reunião. "Quando recolherem os pedaços verificarão que estaremos em posição mais forte. Primeiro porque o texto da agricultura já é melhor que o anterior e, depois, porque estamos prontos para apresentar emendas sobre os vários aspectos do texto", afirmou. O ministro disse que não é possível fazer prognósticos sobre a conclusão da rodada de Doha, mas que é preferível "ter uma derrapagem de seis meses ou até de um ano, do que ter um acordo totalmente insuficiente agora e ter que esperar 15 anos para uma nova rodada". A entrevista do ministro que estava prevista para hoje à tarde, sobre a reunião da OMC em Cancún, foi adiada para a próxima sexta-feira, segundo informações do Itamaraty.

Agencia Estado,

17 de setembro de 2003 | 13h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.