Brasil tem superávit fiscal recorde para maio

O setor público consolidado do Brasilregistrou superávit primário de 13,207 bilhões de reais emmaio, valor recorde para o mês, alimentado por receitascrescentes. O resultado, divulgado pelo Banco Central nestasegunda-feira, superou as estimativas de analistas consultadospela Reuters, de 9,85 bilhões de reais, e também os 9,295bilhões de reais apurados no mesmo mês de 2007. "O comportamento é muito positivo para meses de maio ereflete principalmente as contas dos Estados e das estataisfederais", afirmou a jornalistas o chefe do DepartamentoEconômico do BC, Altamir Lopes. Os Estados registraram superávit primário de 3,535 bilhõesde reais no mês passado, recorde para o mês, beneficiados porum aumento da arrecadação que, segundo Lopes, reflete aatividade econômica aquecida. As estatais federais tiveram superávit também recorde de4,419 bilhões de reais após terem registrado déficit primáriono mês anterior. De acordo com o economista do BC, nosprimeiros quatro meses do ano houve uma concentração derepasses de dividendos à União e, no caso da Petrobras, tambémde royalties, o que não ocorreu em maio. DE VOLTA AO DÉFICIT NOMINAL Apesar da economia expressiva, o resultado primário foiinferior ao volume de juros incorporados à dívida em maio. Comoresultado, o país voltou a registrar déficit nominal, de 2,966bilhões de reais frente a um déficit de 7,452 bilhões de reaisem maio do ano anterior. Nos primeiros cinco meses do ano, contudo, o país temsuperávit nominal de 3,916 bilhões de reais, o equivalente a0,34 por cento do Produto Interno Bruto. É a primeira vez que opaís registra superávit nominal nos primeiros cinco meses doano. O BC estima que o setor público chegará ao final de 2008com déficit nominal de 1,5 por cento do PIB. Em 12 meses encerrados em maio, o superávit primário ficouem patamar equivalente a 4,34 por cento do Produto InternoBruto (PIB), ante 4,25 por cento do PIB em 12 meses até abril.A meta fiscal do governo para o ano é de 4,3 por cento do PIB. DÍVIDA CAI O BC informou ainda que a dívida líquida total do setorpúblico ficou em 40,8 por cento do PIB no mês passado, frente a41,0 por cento em abril. A queda refletiu a economia feita pelo setor público no mêspassado e também o crescimento da economia. O BC projeta que adívida chegará ao final do ano em 40,5 por cento do PIB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.