Joedson Alves/EFE
Joedson Alves/EFE
Imagem Ana Carla Abrão
Colunista
Ana Carla Abrão
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Brasil tem uma demanda reprimida por vacinas

País tem uma população que se declara dentre as mais propensas do mundo a se vacinar

Ana Carla Abrão*, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2021 | 04h00

Com a queda de 4,1% no PIB em 2020 e as perspectivas de crescimento para a economia brasileira na casa de nada alentadores 3,0% para 2021, nos vemos metidos na lama. O governo federal se vê refém de um imbróglio orçamentário que ele ajudou a criar e acuado por uma legítima e necessária CPI que, sabemos, vai certamente demonstrar os erros na condução da pandemia que todos nós já conhecemos de cor. Enquanto isso a inflação ressurge, o câmbio se desvaloriza e o desemprego assola. O novo auxílio emergencial volta menor, os estímulos ao emprego e ao crédito capengam e o Congresso e o presidente da República só pensam na eleição de 2022, comprometendo não só 2021, mas também o futuro do País.

Nesse mar de lama, com a economia claudicando e a tragédia humanitária escalando o número já absurdo de mortes diárias, deveria ser a aceleração da vacinação – e não as obras eleitoreiras – a única prioridade do governo federal e dos parlamentares. Afinal de contas, para a população brasileira ela já é. O Brasil tem hoje uma população que se declara dentre as mais propensas do mundo a se vacinar. Isso é o que mostra a última rodada da pesquisa feita pela Oliver Wyman em dez países. Com 80% de propensão (maior do que os 76% da rodada anterior), apenas o Reino Unido aparece na nossa frente, com 88% da população se dizendo estar disposta ou muito disposta a se vacinar. Estamos bem à frente da França, onde somente 52% dos pesquisados demonstraram essa mesma propensão e dos Estados Unidos, cujos números superam os 70%, apesar do ceticismo declarado de alguns norte-americanos. 

Na quebra por faixa etária, são os brasileiros de meia-idade, entre 55 e 64 anos, aqueles cuja disposição a se vacinar é maior. Nessa faixa chegamos a 87% dos respondentes se declarando dispostos ou muito dispostos a se vacinar. Na sequência vêm os mais novos, com idade entre 18 e 24 anos, cuja propensão atinge 84%. No recorte por renda observa-se uma variação maior. Nas faixas mais altas de renda, a propensão supera os 80%, mas se aproxima dos 65% quando olhamos para rendas mais baixas. Nada surpreendente, giram em torno de 55% quando a população pesquisada confia muito no governo e volta aos patamares de 80% para aqueles que não confiam, mostrando o estrago do viés antivax do presidente da República. 

Quem usa máscara tem mais disposição para se vacinar do que os que não usam, o mesmo vale para quem pratica o distanciamento social. Entre homens e mulheres as diferenças não são significativas. Mas as mulheres, muito mais do que os homens, buscam se informar com médicos ou profissionais da saúde sobre a segurança das vacinas. A relação se inverte quando a fonte de informação é o governo. Embora em média apenas 12% dos brasileiros vejam no governo uma fonte confiável de informações sobre a vacina, esse número cai para 7% dentre mulheres e sobe para 15% dentre os homens entrevistados. 

A mensagem principal é que, ao contrário de outros países, ou camadas específicas de alguns deles, no Brasil a disposição em se vacinar é generalizada e expressiva. Explica-se talvez pela familiaridade dos brasileiros com a vacinação – que em alguns casos é obrigatória. Temos um dos sistemas de vacinação mais eficientes do mundo. Operado pelo SUS, anualmente vacinamos a população brasileira – em particular os mais jovens e os idosos, contra várias doenças. De sarampo a gripe, passando pela pólio e a hepatite, brasileiros do Oiapoque ao Chuí se vacinam com naturalidade e confiança nos resultados. Não parece ser nada diferente com a vacina contra a covid-19. Mas onde abunda disposição, faltam vacinas. Faltam vacinas por uma combinação perversa de negacionismo com incompetência. Faltam vacinas por falta de senso de prioridade e por amadorismo.

Não fosse pelo Instituto Butantan e o governo de São Paulo, numa aposta arriscada e vencedora do governador João Doria, estaríamos sem vacinas, sem economia e rumando para mais mortes do que as que tragicamente já colecionamos. O tempo urge e já perdemos muito dele. Não podemos perder mais. Reduzir o número de mortes, reativar a economia e garantir uma retomada segura das atividades, com reflexo sobre emprego e renda, só será possível com a população vacinada e protegida. O brasileiro está disposto a isso. 

Tivessem o governo federal e os nossos parlamentares a disposição que demonstram ter ao avançar sobre o Orçamento público em favor dos seus interesses eleitorais, estaríamos hoje dentre os países mais vacinados do mundo. Estivessem esses mesmos agentes públicos à disposição da população para enfrentar os problemas do Brasil e não os seus próprios, já estaríamos comemorando o final da pandemia. Infelizmente não parece ser esse o caso.

*ECONOMISTA E SÓCIA DA CONSULTORIA OLIVER WYMAN. O ARTIGO REFLETE EXCLUSIVAMENTE A OPINIÃO DA COLUNISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.