Brasil teme fracasso na reforma agrícola da Europa

As recentes notícias sobre as negociações da Política Agrícola Comum (PAC) da Europa desanimaram o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues. ?Antes do início das discussões, eu tinha esperanças de mudanças efetivas na PAC, mas agora leio nos jornais que há um pré-acordo entre França e Alemanha para imobilizar possíveis alterações substanciais na política de subsídios da União Européia?, afirmou hoje o ministro à Agência Estado.Rodrigues disse que é preciso esperar pelas decisões finais da Comissão de 15 Ministros da União Européia, mas reafirmou que sem avanços substanciais na PAC, as negociações internacionais emperrarão. ?Se for uma mudança modesta, não vejo nenhuma chance de avanço das negociações, principalmente em Sharm El-Sheick?, afirmou, referindo-se à cidade do Egito onde acontecerá no sábado encontro preparatório para a reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC), na Suíça, em 26 e 27 de junho.Para o ministro, uma abertura maior na PAC alteraria positivamente as negociações para o Mercosul e provocaria uma mudança na Alca. ?Com uma mudança na PAC, as negociações não poderiam ficar brecadas. Se avança de um lado (União Européia-Mercosul), refletiria no outro (Alca). E os dois lados, em conjunto, mexeriam com a OMC?, afirmou.Sem perder de foco as grandes negociações, Rodrigues defende acordos bilaterais. ?Vamos negociar de forma independe com a Índia, China, Estados Unidos e México, sem deixar de debater Alca, Mercosul e OMC?, afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.