Brasil tenta unir Mercosul para negociar na OMC

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou hoje que o governo Brasileiro tentará fechar uma posição conjunta do Mercosul para as negociações da rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC). O tema deve estar na pauta da reunião de cúpula extraordinária do Mercosul que poderá ser realizada após o almoço oferecido pelo novo presidente do Paraguai, Nicanor Duarte Frutos.Segundo o chanceler, a aproximação dos países do Mercosul sobre as negociações da OMC é facilitada pelo fato de todos os sócios, mais Chile e Bolívia, serem membros do grupo de Cairns, a frente dos países exportadores agrícolas que não subsidiam os produtores rurais. "Sempre tentamos aproximação da posição do Mercosul e creio que isso é possível", afirmou.O presidente do Uruguai, Jorge Batlle, entretanto, desconversou ao ser questionado sobre essa ambição brasileira. Batlle afirmou que o assunto ainda não foi tratado com detalhes no Mercosul e que ainda não estudou com detalhes a proposta para o capítulo agrícola fechada entre Estados Unidos e União Européia.Esse acerto, que é tido como crucial para o êxito da conferência ministerial da OMC que deverá ocorrer no início de setembro em Cancun, foi classificado como insatisfatório por Amorim. "Naquilo que é específico, essa proposta é ruim. Naquilo que poderia ser boa, é vaga", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.