André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Brasil terá déficit de combustíveis de 1,2 mi de barris por dia em 2030, diz ANP

A diretora-geral da ANP afirmou que o Brasil precisa de investimentos em infraestrutura ou terá de aumentar as importações

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2016 | 12h15

RIO - A diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, falou a uma plateia de executivos do setor sobre a necessidade de investimento na produção e logística de combustíveis, por conta da perspectiva de déficit de 1,2 milhão de barris por dia (bpd), sem o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), e de 1,142 milhão de bpd com a refinaria.

Magda apresentou estudo que irão subsidiar o governo e direcionar investimentos em dez anos. "Há gargalos logísticos no Brasil. A ANP tem que ser ouvida. O Brasil vai precisar de investimento a partir de 2017. Há nichos de mercado para investimento", disse, complementando que este ano será de conversas.

Em um cenário de autossuficiência, seria necessário concluir o Comperj e a Refinaria do Nordeste, além de construir duas novas refinarias - uma no Maranhão e outra no Triângulo Mineiro, para atender, sobretudo, a demanda em todo País, com destaque para as regiões Sudeste e Centro-Oeste. "A discussão se terá refinaria é menos importante. Provavelmente, teremos um mix (de produção própria e importação)", afirmou. O debate, segundo Magda, deve girar em torno da medida de cada uma das alternativas.

O desafio da aposta na dependência da importação, em sua opinião, está no custo da formação de um estoque estratégico para garantir o abastecimento em uma situação de dificuldade de acessar o mercado externo. "Um déficit de 1 milhão de barris por dia não se enfrenta com estoque de três ou cinco dias. A gente vai precisar de mais estratégia e isso vai ter um custo. Se a gente for por esse caminho, alguém vai ter que pagar a conta", afirmou.

Para optar pela importação, será necessário ainda investir em logística - melhorias dos portos e ampliação da malha dutoviária, principalmente.

Presente no evento, o presidente do Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (iBP), Jorge Camargo, questionou a viabilidade do investimento, já que a Petrobras não tem caixa e "o investidor não aceita interferência do governo e não vai investir". Magda respondeu: "Conversando. Não tem outro jeito. Estamos dando o pontapé mostrando como a ANP vê isso. Vamos ter que gastar 2016 conversando".

Tudo o que sabemos sobre:
ANPBrasilGásPetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.