Brasil tinha 3,4 mil grandes indústrias em 2006, aponta IBGE

Esse total de empresas pagava 67,3% do total de salários do setor, respondendo por 78,9% do PIB da indústria

Jacqueline Farid, da Agência Estado,

25 de junho de 2008 | 10h25

A Pesquisa Industrial Anual do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), relativa ao ano de 2006, divulgada nesta quarta-feira, 25, apurou que estavam em atividade no País 3.448 grandes empresas industriais (com 250 ou mais pessoas ocupadas), que empregavam cerca de 50% do total de pessoas ocupadas no setor, com uma média de 980 funcionários por empresa.  Esse total de empresas pagava 67,3% do total de salários do setor industrial, respondendo por 78,9% do valor do Produto Interno Bruto (PIB) da indústria (transformação industrial) e por 76,7% da receita líquida de vendas. A pesquisa revelou ainda que as grandes empresas industriais pagavam, em média, salários mais elevados (5,3 salários mínimos), o que representava o dobro do valor pago pelas pequenas e médias empresas (2,6 salários mínimos, em média). Ainda segundo a pesquisa, as empresas com mais de 1 mil funcionários ampliaram sua importância na estrutura industrial em dez anos. Em 1996, o número de grandes empresas industriais com mais de 1 mil pessoas ocupados era de 588 e passou para 764 em 2006, o que representa um crescimento de 29,9%. De acordo com o levantamento, o número das grandes empresas industriais era significativo nos segmentos de refino de petróleo e produção de álcool (36,8%) e fumo (15,9%) - setores que respondiam por mais de 95% do valor da transformação industrial em 2006. Regiões As grandes empresas industriais localizavam-se principalmente nas regiões Sudeste (52,2%) e Sul (25,1%). As demais áreas mostravam as seguintes participações: Nordeste, 12,6%; Centro-Oeste, 5,9%; e Norte, 4,2% A região Sudeste perdeu participação no valor da transformação industrial (PIB industrial) nacional das empresas com mais de mil pessoas ocupadas em dez anos, saindo de 71,6% em 1996, para 68,6% em 2000 e chegando aos 64,4% em 2006, segundo a pesquisa. O mesmo ocorreu com a região Sul, ao passar de 15,5% em 1996 para 14,7% em 2006. As demais regiões ganharam participação: Centro-Oeste, de 1,2% em 1996 para 3,3% em 2006; Nordeste, de 7,1% para 11,3%; e Norte, de 4,5% para 6,3%.  Apesar da perda de participação, o Sudeste e o Sul ainda concentravam, no ano de 2006, o equivalente a 48,1% e 24,0% do total do pessoal ocupado entre as empresas com mais de mil pessoas ocupadas em 2006.

Tudo o que sabemos sobre:
Indústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.