finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Brasil vai à OMC contra subsídio japonês à aviação

O Brasil questiona na Organização Mundial do Comércio (OMC) os subsídios dados pelo Japão à fabricação de jatos, no que pode se transformar em nova guerra comercial. O Brasil enviou um questionário ao Japão para que explique o dinheiro dado pelo governo à Mitsubishi Regional Jet. Para o governo brasileiro, há a suspeita de que a ajuda do governo não está amparada pelas regras da OMC e prejudicará as exportações da Embraer.

, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2011 | 00h00

O questionamento está ocorrendo no marco da revisão da política comercial do Japão, que ocorre a cada dois anos na OMC. Uma disputa legal ainda não está sendo lançada e, por enquanto, o Brasil apenas cobra de Tóquio uma explicação. A diplomacia japonesa deu uma resposta ao questionário brasileiro, mas sem detalhes e de forma insuficiente, aos olhos do Itamaraty.

O Japão está se preparando para entrar no mercado de jatos regionais, hoje dominado por Brasil e Canadá. Até 2014, deverá lançar um modelo para 92 pessoas. Mas, quatro anos antes da entrada em operação, 200 encomendas já foram feitas.

Um dos focos da empresa japonesa é abocanhar um terço do mercado japonês no médio prazo, reduzindo o mercado da Embraer. Além de lançar jatos regionais, o Japão já é o maior fornecedor de peças à Boeing. Um terço das partes usadas nos novos aviões americanos vem da empresa japonesa.

Para o Brasil, o que preocupa hoje é a forma pela qual esse projeto tem sido financiado. "Isso é uma questão de grande preocupação para o Brasil", afirmou o Itamaraty na OMC. Segundo o Brasil, a questão já foi tratada em 2009, sem que o Japão explicasse o volume de dinheiro destinado pelo governo à empresa.

O questionamento vem em um momento crítico. Em Paris, Brasil, Canadá, Japão, UE e Estados Unidos assinam um acordo para estabelecer as bases do apoio de governos ao setor aéreo, área que continua sendo alvo de disputas comerciais.

Na Ásia, porém, a preocupação do Brasil não se limita ao Japão. O principal temor da Embraer é a China, com apoio estatal sem controle. Para a empresa brasileira, sem um monitoramento dos subsídios de Pequim, a futura produção de aviões na China terá impacto duro na competitividade dos jatos brasileiros nos próximos 20 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.