Brasil vai captar no exterior investimentos para obras do PAC

Por ordem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) está sendo reestruturada para auxiliar na captura de investimentos para os projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A unidade de investimento da agência, que era voltada principalmente para atender pequenas e médias empresas em projetos setoriais, vai se expandir. Segundo o presidente da Apex, Juan Quirós, foi iniciada uma série de conversas em vários países para selecionar investidores potenciais. "Estamos selecionando os investidores para chamá-los para uma conversa individual", informou Quirós à Agência Estado. De acordo com ele, a prospecção está sendo realizada na Inglaterra, países árabes, Espanha, Portugal e Estados Unidos. "Para cada um, apresentamos um cardápio de oportunidades". As áreas de maior interesse são portos e logística, infra-estrutura e gasodutos.Nessas conversas, tem ficado cada vez mais claro o interesse dos estrangeiros pelo setor imobiliário brasileiro (predial e industrial). Quirós explicou que as empresas, em vez de comprar um terreno e construir, estão contratando empresas especializadas e alugam o espaço para colocar as máquinas e equipamentos. Ele citou a Cyrela, a maior empresa de construção de São Paulo, que capta recursos de investidores, constrói prédios e os aluga. O rendimento é dos investidores. Para o presidente da Apex, o Brasil entrou numa nova fase de investimentos. "No passado, os investidores estrangeiros compravam ativos no Brasil, agora estão investindo em capital produtivo", afirmou. Quirós acha que o Brasil ganhou visibilidade única nas negociações. "Os investidores operam a América Latina por meio do Brasil", disse. "O Brasil mostrou sua estabilidade econômica, inflacionária e trata seus investidores bem."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.