Brasil vê sinal positivo nos cortes nos subsídios dos EUA

O governo brasileiro afirma que a decisão da administração de George W. Bush de propor ao congresso americano uma redução dos subsídios domésticos é "um sinal positivo" para as negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC), que em 2005 entram em sua fase decisiva. Mas o principal negociador brasileiro na Organização Mundial do Comércio (OMC), embaixador Clodoaldo Hugueney, alerta que o objetivo do governo é o de conseguir na OMC uma redução de 70% dos subsídios domésticos americanos no final de um período de transição ainda a ser negociado. "Temos muito trabalho pela frente ainda", admite o negociador.Na avaliação de Hugueney, o passo dos EUA é importante porque vai na direção contrária da lei agrícola aprovada pelo congresso americano em 2002 e que previa um aumento de subsídios. "Não me interessa se o corte está sendo realizado por necessidades internas dos americanos. O importante é que há um corte e que estamos indo na direção oposta do programa de 2002", afirmou o negociador brasileiro, que participou da primeira reunião da OMC no ano para tratar da liberalização agrícola. O Brasil defende que o corte nos subsídios domésticos não ocorra a partir dos níveis permitidos pela OMC e que normalmente estão acima do patamar de apoio dado pelos governos ricos. "Não queremos cortar água. Queremos que a redução ocorra no volume aplicado pelos governos", afirma Hugueney. A notícia de Washington chega no mesmo momento em que Bruxelas anuncia que está recriando seu programa de subsídios ao trigo, depois de 18 meses de interrupção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.