Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Brasil vê vitória na briga com os EUA pelo algodão na OMC

O subsecretário geral de assuntos econômicos e tecnológicos do Itamaraty, embaixador Clodoaldo Hugueney, disse nesta segunda-feira que o relatório preliminar da Organização Mundial de Comércio (OMC) que trata da disputa do algodão entre o Brasil e os Estados Unidos agradou o governo brasileiro. "Depois de muita luta, estamos satisfeitos com o resultado preliminar do painel. O relatório de hoje reflete as preocupações do Brasil com o caso", afirmou, sem dar detalhes do relatório, recebido hoje pelas duas partes.Ele disse que pelas regras da OMC, o documento preliminar é confidencial até que seja transformado num relatório definitivo, que deve estar disponível no próximo dia 18 de junho. O embaixador informou que até o dia 10 de maio, o Brasil e os Estados Unidos podem encaminhar a OMC comentários sobre o documento.Segundo Hugueney, a OMC acolheu boa parte dos argumentos do Brasil na ação que contesta os programas de subsídios domésticos e de exportação concedidos pelo governo dos Estados Unidos aos produtores norte-americanos. De acordo com o embaixador, somente em termos de preços internacionais, as perdas do Brasil com os subsídios norte-americanos foram de US$ 460 milhões. ?Mas o prejuízo foi muito maior. Num determinado período, a produção brasileira caiu pela metade, como consequência do nível de subsídio?, disse o embaixador. No total, ele calculou prejuízos superiores a US$ 1 bilhão.Para Hugueney, a decisão final pode influenciar a Rodada Doha da OMC, que tem como tema principal liberar o comércio de produtos agrícolas. O embaixador disse que a ?moldura? para a negociação agrícola tem que tratar da redução de subsídios domésticos específicos. ?Aqueles produtos que recebem subsídios domésticos e que são exportados precisam de uma disciplina mais firme?, afirmou.

Agencia Estado,

26 de abril de 2004 | 21h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.