Brasil vende títulos da dívida com juro mais baixo já pago

Procura de investidores estrangeiros surpreende o mercado, chega a 12 vezes a oferta inicial do Tesouro e reduz a taxa

Adriana Fernandes / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2010 | 00h00

Com uma forte demanda dos investidores estrangeiros, o governo brasileiro conseguiu ontem vender nos Estados Unidos e na Europa US$ 750 milhões de títulos da dívida externa com a menor taxa de juros já paga pelo Tesouro Nacional. Na captação histórica para o Brasil, o Global 2021, título com vencimento em 10 anos, foi vendido com taxa de retorno para o investidor de 4,547% ao ano.

A forte procura dos investidores surpreendeu o mercado e até mesmo os coordenadores da operação, chegando a US$ 6 bilhões, volume 12 vezes superior à oferta inicial do Tesouro, de US$ 500 milhões.

Para o governo brasileiro, segundo apurou o Estado, a operação sinalizou uma confiança ainda maior na economia brasileira, mesmo depois da divulgação de dados desfavoráveis das contas externas. O apetite maior dos investidores pelo Brasil ocorreu mesmo em meio a várias ofertas recentes no mercado internacional, não só de títulos soberanos (emitidos por governos de vários países), mas também de empresas privadas.

Mais barato. Com a demanda em alta, ficou mais barato para o Tesouro e o governo acabou optando em vender uma quantidade maior do que os US$ 500 milhões previstos inicialmente. O custo menor para o Tesouro deve agora ajudar a baratear também as emissões externas de empresas. É que a taxa de juros paga pelo Tesouro para vender os seus títulos serve de referência para captações privadas. Nos últimos dez dias, várias empresas têm buscado financiamento externo com emissão de bônus.

Na operação de ontem, o Tesouro identificou forte demanda de investidores que tradicionalmente não faziam aplicação nesse tipo de papel. Esse foi um dos diferenciais que segundo o governo ajudaram no sucesso da captação.

A emissão de ontem, coordenada pelos bancos Deutsche Bank e Merrill Lynch, foi a segunda feita pelo Tesouro este ano. Logo no início da operação, pela manhã, a expectativa era de que a taxa de retorno ficasse um pouco abaixo de 4,7% ao ano. A taxa acabou fechando ainda mais baixa. Até ontem, a menor taxa havia sido obtida na operação de venda do Global 2019, em dezembro do ano passado, quando o Tesouro aceitou pagar 4,75% para vender US$ 525 milhões.

Foi a segunda oferta ontem do Global 2021. Na primeira operação de venda desses títulos, em abril deste ano, o Tesouro vendeu US$ 787,5 milhões, com retorno de 5%. A operação de ontem faz parte da estratégia de dar liquidez aos papéis da dívida externa brasileira.

Demanda alta

US$ 750 milhões de títulos foram vendidos pelo governo brasileiro nos Estados Unidos e na Europa

4,547% ao ano foi a taxa de retorno para o investidor nos títulos Global 2021, com vencimento em 10 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.