Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Brasil vira o maior mercado da Heineken

Empresa holandesa apresentou os resultados de 2019; crescimento da marca no mercado brasileiro ficou acima de dois dígitos

Reuters, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2020 | 17h17

O Brasil se tornou o maior mercado da marca holandesa Heineken, principal rótulo da segunda maior cervejaria do mundo. O resultado foi conquistado após o País registrar crescimento acima de dois dígitos em 2019. A Heineken disse que o volume global de cerveja subiu 4,1% no quarto trimestre, com aumentos acima de 10%  no Vietnã, no Camboja e no Brasil.

O lucro da empresa no ano passado avançou 13,2%, para € 2,2 bilhões. A receita atingiu € 24 bilhões, superando levemente a média das projeções de analistas, de € 23,8 bilhões.

As ações da companhia disparavam mais de 6% no pregão de ontem. No Brasil, as ações da gigante Ambev – líder do mercado nacional – tiveram queda na esteira da divulgação da Heineken, com queda de 0,89%, para R$ 16,65.

A empresa disse que as receitas devem voltar a subir neste ano com volumes mais altos, preços e consumidores mudando para cervejas mais caras.

Além de contar com um reajuste mais moderado nos custos de insumos, a empresa deve registrar um aumento porcentual de um dígito no lucro operacional em 2020, estimou a companhia, acrescentando ser muito cedo para avaliar o impacto do surto de coronavírus em seus negócios.

“Somos cautelosos. Estamos analisando a situação. Paralisante seria uma palavra muito forte, mas terá algumas consequências”, afirmou o presidente executivo Jean-François van Boxmeer, que está de saída da companhia.

Novo líder

O executivo, à frente do negócio desde 2005, deve deixar o cargo em 1.º de junho, um ano antes do esperado. Ele será sucedido pelo chefe das operações asiáticas, o holandês Dolf van den Brink.

Analistas disseram que a mudança não foi uma grande surpresa. A escolha de Van den Brink, que também liderou as operações da Heineken nos EUA e no México, foi considerada lógica.

Segundo relatório do Citi, o desempenho do volume da Heineken veio mais forte do que o esperado. Para o banco, a Ambev “talvez apresente melhores volumes para o quarto trimestre de 2019”.

“Nossa estimativa de crescimento do volume atual (para a Ambev) é 1% em relação ao ano para cerveja Brasil. No entanto, vendo que as condições de mercado mais favoráveis e os concorrentes superando as expectativas do mercado, que não descartam que o desempenho do volume da empresa pode ter sido melhor (crescimento do volume de 2-3%), embora ainda perdendo participação”, diz o Citi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.