Drop/ Divulgação
Drop/ Divulgação

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Brasileira Drop inicia produção de patinetes elétricos em Manaus

Primeira a montar esse tipo de veículo no País, empresa vende seus produtos por meio de grandes varejistas

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2020 | 04h00

Na contramão de empresas de compartilhamento que reveem projetos locais, o grupo brasileiro Drop inicia na próxima semana as vendas dos primeiros patinetes elétricos feitos no País. A produção teve início em dezembro, na antiga fábrica da Sharp, em Manaus (AM), que foi alugada pela nova empresa.

A Drop investiu R$ 4,2 milhões para iniciar a montagem dos veículos. Parte veio de aporte do proprietário da empresa, o paulista Sérgio Zancope, e parte de empréstimos financeiros. A capacidade da fábrica é de 120 mil unidades anuais, mas para este ano estão previstas no mínimo 13 mil unidades.

Inicialmente a empresa apenas vai montar os patinetes com kits (CKDs) importados da China. Cerca de 20% dos itens são locais, como guidão, manopla e retrovisor, conforme prevê as regras da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). 

Desde 2007 atuando no País como importadora e distribuidora de veículos elétricos, a Drop decidiu pela montagem local “motivada pela alta do dólar”, afirma Ricardo Ducco, diretor de Marketing. “O produto já é caro e, com a altíssima carga tributária e o dólar alto, a importação ficou inviável”, explica.

Com produção local, o preço ao consumidor está 25% mais em conta em relação ao patinete importado. A empresa oferece duas opções do veículo, ambas dobráveis. O GO-08, de 36 volts, tem preço sugerido de R$ 3 mil, e o GO-10, de 48 volts, R$ 4 mil, com possibilidade de financiamento em até dez parcelas.

Mobilidade

No auge do mercado brasileiro, de 2011 a 2013, a Drop vendeu 2 mil patinetes anualmente, sendo metade para lazer e metade para mobilidade. Nos últimos anos, com a crise, a média caiu para mil unidades, sendo 90% para transporte. Essa modalidade de uso aumentou após a chegada das empresas de compartilhamento por aplicativos, informa Ducco.

A ideia da Drop é incentivar o uso intermodal. “No caso dos aplicativos, normalmente a pessoa utiliza para pequenos deslocamentos (micromobilidade), de um trecho para outro”, diz. “Como nosso patinete é dobrável, o usuário pode levá-lo no ônibus ou metrô, por exemplo, e continuar utilizando em vários trechos (intermodal)”.

O grupo começa suas operações locais com venda para pessoas físicas, mas já negocia o fornecimento às empresas de aplicativos. Com base nessa demanda é que a Drop prevê um mercado de 13 mil unidades este ano, mas com potencial de crescimento gradual.

Como a Drop não atua na venda direta, os patinetes serão comercializados em mais de mil pontos, principalmente em lojas de material esportivo de shopping centers e em grandes redes de varejo, como Centauro, EletroBom e Martins.

Scooters

“Nosso próximo passo será a produção em larga escala de scooters elétricas em parceria com uma grande fabricante mundial da Ásia que quer entrar no Brasil”, informa Ducco.

A unidade em Manaus emprega atualmente 20 funcionários e futuramente deverá ter 60.

Os patinetes da marca têm autonomia de 30 km a 35 km e a recarga elétrica é feita em três a quatro horas. Têm painel digital com velocímetro, carga de bateria e seleção de potência, retrovisores, farol e freio a disco.

As rodas são calibráveis (maiores que as tradicionais para adaptação às ruas brasileiras, normalmente com muitos desníveis). O veículo importado não tem essa característica, o que o torna menos durável, avalia Ducco. Os modelos da marca atingem velocidade de 25 km/h, a permitida por lei. 

Patinetes motorizados surgem no Brasil na década de 1980 

Embora tenham se popularizado apenas nos últimos anos, principalmente nas grandes avenidas de São Paulo, como a Faria Lima e a Paulista, os patinetes motorizados não datam deste século. Em 1988, o caderno Moto, do Jornal do Carro, suplemento do Estado, anunciava a chegada da Walk Machine (Máquina de andar, em tradução livre), um patinete com motor que poderia servir tanto para transporte quanto para lazer.

Na época, o então prefeito da cidade de São Paulo, Jânio Quadros, chegou a avaliar a possibilidade de guardas civis utilizarem o equipamento dentro do Parque do Ibirapuera, o que atraiu holofotes ao produto. 

A reportagem do Jornal do Carro testou três patinetes motorizados, levados no bagageiro de um Monza, na Avenida Paulista, e despertou a curiosidade de pedestres e motoristas. Confira mais na reportagem do Acervo Estadão

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
patineteManaus [AM]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.