Brasileira faz sucesso com blog de maquiagem

Camila Coelho, de 25 anos, vive nos Estados Unidos e é um fenômeno nas redes sociais

GUSTAVO CHACRA, CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2013 | 02h06

Camila Coelho, uma imigrante brasileira em Boston de 25 anos, tem 124 mil seguidores no Twitter. Seus vídeos no YouTube, em canais em inglês e português, costumam ultrapassar mais de 100 mil visualizações e, para completar, seu Instagram, com 872 mil fãs, deve atingir a marca de 1 milhão em dois meses se mantiver o atual ritmo de crescimento.

Esses números são superiores a muitos atores de cinema americanos, celebridades da TV, políticos e jogadores de futebol da seleção brasileira. Mas, se o leitor não for uma mulher jovem ou uma adolescente, dificilmente terá ouvido falar dessa brasileira capaz de, em algumas horas, atrair 700 pessoas a um restaurante e conseguir reunir 8 mil fãs em uma visita a São Paulo.

Nascida em Virginópolis, uma pequena cidade no interior de Minas Gerais, ela imigrou ainda adolescente para os EUA. "Depois de terminar o high school (ensino médio) na Pensilvânia, fui morar com a minha tia em Boston. Trabalhei na Macy's (loja de departamentos), comecei a mexer com maquiagem e fiz alguns cursos. Passei a produzir os vídeos com tutoriais no YouTube, depois o blog e fui crescendo. Estou há um ano no Instagram. Até eu fico surpresa com a repercussão", diz Camila Coelho, que sonha em ser apresentadora de TV e sempre está acompanhada do marido Ícaro, também imigrante nos EUA e responsável pela parte empresarial da sua carreira.

Todos os dias, centenas de milhares de mulheres jovens de Brasília a Nova York aguardam ansiosas as suas dicas de maquiagem no blog Super Vaidosa ou na sua conta @makeupbycamila no Instagram. Com presença apenas na internet, ela é um fenômeno das redes sociais e faz parte de um universo de brasileiras, americanas e até sauditas que comentam sobre moda e maquiagem em blogs. Algumas delas têm pais e mães famosos, como Sophia Alckmin, filha do governador Geraldo Alckmin, e autora do blog Betty. Outras surgem de lugares inesperados, como a brasileira de Boston.

Uma seleção dessas blogueiras, incluindo Sophia e Camila, integram o portal F*Hits, de Alice Ferraz, uma das pioneiras dos blogs de moda, com uma audiência de 5 milhões de visitantes únicos por mês, além de mais de 27 milhões de page views. Para decidir quem pode ter o blog aceito no portal, ela afirma monitorar a audiência na internet.

Além disso, as "meninas precisam ter talento, conseguindo se comunicar por vídeos ou escrevendo com quem as assiste". Nesse sentido, segundo Ferraz, Camila é excepcional.

Salários. No Brasil, as blogueiras de moda de maior sucesso podem ganhar até R$ 80 mil por mês - o valor recebido por Camila e pelas outras blogueiras não foi informado ao Estado. O faturamento delas se dá por três vias. Primeiro, existem os anúncios nos blogs. Em segundo lugar, algumas podem receber salários. Por último, elas, em seus comentários, falam sobre marcas que pagam para ter seus nomes divulgados.

Para Alice Ferraz, para difundir o conteúdo, o papel das "mídias sociais é fundamental", pois elas "se complementam, com uma ajudando a outra a crescer. A única que fica perdida na moda é o Twitter, pois a moda é visual, é imagem. Por esse motivo, o Instagram é muito importante" - ela possui 35 mil seguidores. Uma blogueira, ao colocar uma foto no Instagram com o link do blog, multiplica o número de visitas. E, em vez de rivalidade, as blogueiras acabam se ajudando, pois os leitores acessam diferentes blogs.

Mica Rocha, proprietária da revista eletrônica Wepick, explica que as blogueiras precisam tomar cuidado para não se venderem para qualquer marca que quiser pagar. "Nós (ela e a sócia Lelê Sadi, do Wepick) fazemos uma parceria com os anunciantes e usamos apenas marcas de que gostamos bastante. Não podemos enganar nossos leitores que nos depositam uma confiança, acreditando que o que usamos e falamos é o que realmente gostamos", afirma a paulista que vem sempre a Nova York, onde vivem suas duas irmãs. Alice Ferraz também afirma utilizar o mesmo método nos blogs F*Hits, levando em conta o perfil de cada uma das blogueiras.

Apresentadora de TV, Mica Rocha acrescenta que "as redes sociais te levam para onde você quiser e são mais rápidas para disseminar informações, com a vantagem de podermos ter contato com os seguidores e responder imediatamente às perguntas deles". "Já a TV nos dá um reconhecimento maior e um alcance diferente", afirma.

Maria Prata, diretora da Harper's Bazaar e uma das mais respeitadas jornalistas de moda do Brasil, afirma que "os blogs podem não ter revolucionado a moda, mas essas meninas inventaram uma nova forma de se comunicar, mesmo que algumas delas não tenham muito conhecimento sobre o que estão falando".

De outro lado, a editora frisa que as marcas, especialmente de luxo, atualmente se perguntam se "vale a pena anunciar em um blog de moda e vender 40 bolsas imediatamente em razão da instantaneidade, ao resultado imediato desses blogs e redes sociais, ou, se no longo prazo, a imagem da empresa pode ser enfraquecida ao ser associada a algumas dessas blogueiras".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.