Soraya Ursine/Estadao
Soraya Ursine/Estadao

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Brasileira vai comandar a AB InBev no Reino Unido

Paula Lindenberg, que foi jurada em Cannes Lions 2018, é líder da área de marketing para a América Latina

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2018 | 05h00

Primeira mulher a assumir uma vice-presidência da Ambev no Brasil, a executiva Paula Lindenberg, que atualmente está à frente da área de marketing da Ambev na América Latina, vai em breve alçar voos mais altos: ela assumirá como CEO (principal executiva) da AB InBev no Reino Unido a partir de janeiro do próximo ano.

Sob a batuta de Paula, houve mudanças importantes no marketing da companhia de bebidas. Durante décadas, a comunicação do segmento de cervejas esteve ligada a mensagens machistas e preconceituosas. Nos últimos anos, a empresa não só reconheceu o problema como também criou uma série de cartazes corrigindo o antigo discurso relativo ao tema. Além disso, a Skol se tornou patrocinadora oficial da Parada LGBT de São Paulo. 

No ano passado, a executiva da Ambev representou o Brasil como jurada no Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade, evento que tem o Estadão como representantes oficial no País. Ela ajudou a escolher os vencedores de Creative Effectiveness, categoria que julga a capacidade de uma campanha em trazer resultados para o negócio do cliente.

Grand Prix. Além de participar do júri, a gigante das bebidas trouxe um importante prêmio para casa. A agência Africa recebeu o Grand Prix por uma ação em mídia impressa para a Budweiser, marca que no Brasil é distribuída pela Ambev. A campanha, que usa apenas texto, incentiva os consumidores a buscarem na internet fotos icônicas de lendas da música – entre elas Mick Jagger e Prince. 

Todas as imagens têm um aspecto em comum: em todas os artistas aparecem segurando uma garrafa ou lata de Budweiser.

O uso da mídia impressa para levar o consumidor às fotos na internet foi uma forma criativa de garantir acesso a um material histórico que custaria muito para ser reunido pela própria marca, uma vez que as imagens têm direitos autorais. 

Embora seja relativamente recente no Brasil – onde começou a ser vendida no começo desta década –, o posicionamento global da Budweiser está historicamente ligado à música. O uso de ícones em contato com a Bud foi uma forma de trazer um “estofo” ao rótulo no Brasil, disse Paula, em Cannes Lions. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.