Brasileiro do Facebook faz nova aposta na internet

Eduardo Saverin, um dos fundadores da rede social, investe em site que responde às buscas com [br]apresentações multimídia

Miguel Helft, The New York Times, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2011 | 00h00

O primeiro cheque que ele assinou para um empreendedor transformou-o num bilionário e num personagem importante num filme de sucesso de Hollywood. Agora, Eduardo Saverin, cofundador do Facebook e outrora amigo de Mark Zuckerberg, que foi o foco das atenções nos últimos anos, está preenchendo um cheque de valor ainda maior, esperando plantar as sementes que irão florescer numa outra maravilha da internet.

Na quinta-feira, a Qwiki, nova empresa criada no Vale do Silício, anunciou que Eduardo Saverin (nascido no Brasil) tornou-se seu principal investidor numa rodada de financiamento de US$ 8 milhões. A companhia, cujo serviço de internet responde a consultas de buscas com apresentações multimídia interativas, em vez de links, recebeu recentemente um importante prêmio numa conferência.

Em entrevista por telefone, esta semana, falando de Cingapura onde está morando, Eduardo Saverin falou do seu entusiasmo com a Qwiki. "Estou numa situação hoje, em que posso fazer o que gosto, ou seja, ajudar outros empreendedores", disse ele. "O Facebook foi um grande sucesso e continuará sendo. A Qwiki está começando, mas já está no caminho de se tornar uma empresa inovadora que vai mudar as coisas."

Mas não quis dizer quanto investiu na empresa, que também não deu detalhes sobre o financiamento.

O cofundador do Facebook fez parte de um grupo de estudantes de Harvard que se envolveu numa série de disputas sobre a criação do site social e cuja história foi dramatizada no filme "A rede social", que conquistou o Globo de Ouro de melhor filme dramático.

Ao contrário de Tyler e Cameron Winklevoss, cuja briga com Zuckerberg chegou às manchetes dos jornais, Saverin foi discreto. E, enquanto a reivindicação dos Winklevoss nunca foi reconhecida, Eduardo é oficialmente um cofundador do Facebook e o seu primeiro gestor de negócios. Mais tarde, afastou-se, mas ainda é um dos primeiros acionistas da empresa, com uma participação de 5%, avaliada em cerca de US$ 2,5 bilhões.

Investimentos. Saverin não quis falar sobre o Facebook, nem sobre o filme que o tornou uma espécie de celebridade, tampouco sobre sua vida atual. Afirmou que está fazendo vários "angel investiments" (investimentos em novas empresas de internet), acrescentando que "adoraria" se concentrar na Qwiki. Disse ter ouvido falar pela primeira vez da empresa quando viu a Qwiki receber um prêmio na conferência de tecnologia TechCrunch, recentemente. Posteriormente, contatou seus fundadores, Doug Imbruce e Louis Monier e se envolveu com a companhia.

A tecnologia básica da Qwiki transforma um grupo de dados sobre um assunto em apresentações multimídia interativas. A companhia aplicou a tecnologia a um serviço que funciona como motor de busca. Se você digitar "San Francisco", ele vai responder com um curto audiovisual sobre a cidade, incluindo fatos e vistas da cidade. Louis Monier, que criou o AltaVista, e o seu sócio Doug Imbruce, pretendem diversificar o uso da tecnologia no futuro.

Incluindo uma rodada anterior de financiamento, a empresa já levantou US$ 9,5 milhões. Entre outros conhecidos investidores da empresa estão Jawed Karim, o terceiro e "menos conhecido" fundador do YouTube.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.