Brasileiro faz desenho para o Facebook

Gabriel Shiguemoto, designer que criou o personagem Plum para o Facebook Messenger

Entrevista com

Nayara Fraga, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2013 | 02h06

Uma das figurinhas disponíveis no Facebook, o pássaro Plum, é arte de um brasileiro. Gabriel Shiguemoto, filho de japoneses, que mudou de São Paulo para o Japão em 2007, recebeu da rede social a tarefa de criar personagens que não fossem humanos.

Dos rabiscos nasceram um hipopótamo de pijamas, uma corujinha curiosa (curiowl), um crocodilo faminto (hungrygator), uma lhama simpática e o passarinho de óculos escuros verdes e chapéu e gravata azuis, que foi escolhido.

O estúdio de design em que ele trabalha, Birdman (primeiro a fazer esse tipo de trabalho para o Facebook no Japão), está desenvolvendo mais três séries. O desafio para os japoneses, segundo Shiguemoto, é desenhar cartuns que o mundo todo entenda.

Por que um pássaro?

O Facebook estava procurando mais personagens que não fossem humanos. Valia tudo: animais, monstros - incluindo os bonitinhos -, aliens, etc. Então preparei cinco animais que não eram tão comuns na galeria deles. O pássaro foi escolhido. Depois, desenhei 40 poses.

Apesar de não ser papagaio, ele parece o Zé Carioca.

É meio Zé Carioca com o Frango da Sadia (risos).

E esse nome, Plum?

Plum é ameixa em inglês. Na verdade, o nome original dele era "Ume-bird", uma brincadeira com "umeboshi", que é um aperitivo japonês pequeno, rosado e azedo - igual ao meu personagem.

Como você vê a adoção dos stickers no Japão?

Eles são muito famosos aqui, principalmente entre mulheres. O interessante é que os stickers japoneses têm um tipo de humor diferente do ocidental. O modo de pedir desculpas, um favor ou de se mostrar nervoso é bem diferente. Eles fazem um chifrinho com os dedos (V de vitória) quando estão nervosos. Também se curvam muito e abaixam a cabeça. Se você desenhar um personagem assim, muita gente não vai entender.

Tudo o que sabemos sobre:
StickerFacebookLink

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.