Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Brasileiros disputam obra bilionária no Canal do Panamá

Quatro consórcios internacionais formados por 30 empresas de 13 países se candidataram à licitação do contrato de projeto e construção das duas novas eclusas do Canal do Panamá - a obra mais disputada pelas construtoras internacionais no momento. Os nomes foram anunciados ontem pela Autoridade do Canal do Panamá (ACP).Entre as empresas formadoras de um dos consórcios, o Atlântico-Pacífico do Panamá, estão três empresas brasileiras: as construtoras Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Queiroz Galvão. A construtora Odebrecht, que tentava liderar outro consórcio, não entrou na disputa.As empreiteiras brasileiras que continuam na licitação formam um consórcio com as francesas Bouygues Travaux, Vincie Alstom Hydro Energia, a alemã Bilfinger Berger e a projetista americana Aecom. Elas vão concorrer com três consórcios formados por grandes grupos internacionais. A ACP tem até 14 de dezembro para avaliar as propostas dos consórcios.A estimativa é de que, uma vez pré-aprovadas, as empresas tenham de gastar entre US$ 12 milhões e US$ 20 milhões para a criação do projeto de obra das maiores eclusas do mundo. No entanto, o contrato para a obra deve render ao vencedor cerca de US$ 3,2 bilhões - 60% do valor investido pela ACP nas obras totais de ampliação do Canal do Panamá. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

20 de novembro de 2007 | 11h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.