Brasileiros estudam migrar parte dos negócios da China para o Vietnã

Custos menores de manufatura e a estratégia de divisão de risco são atrativos.

Marina Wentzel, BBC

09 de julho de 2008 | 17h24

Seguindo uma tendência observada nas empresas européias e americanas, alguns investidores brasileiros estão migrando parte de seus negócios da China para o Vietnã."Começamos a lidar com o Vietnã recentemente e já estamos com 10% dos nossos negócios de têxteis lá", conta Paulo Farkas Bitelman da trading Comexport.Bitelman acredita que o Vietnã tem potencial e espera ver as operações de sua empresa crescerem no país, porém credita que ainda existem dificuldades práticas que precisam ser contornadas."É complicado por vezes conseguir fazer a matéria prima chegar ao Vietnã. Na China isso já está bem mais agilizado", conta.Custos e riscoOs custos mais baratos de manufatura e a intenção de diluir os riscos estão os principais atrativos para empresários que vislumbram a alternativa. Os setores calçadista e têxtil são os que mais observaram esse tipo de mudança, com a instalação principalmente de fábricas americanas e européias no Vietnã.Um estudo divulgado em março, a Câmara de Comércio Americana de Xangai, a AmCham, apontou que 88% das empresas estrangeiras sondadas optaram inicialmente por operar na China por causa dos baixos custos, porém, 63% dessas afirmaram que se mudariam ao Vietnã para cortar ainda mais o preço de produção."Acho que a maioria das empresas opta por ir para o Vietnã por causa do risco", avalia Paulo Wolff, coordenador do escritório da Azaléia na China.Segundo Wolff, já existem muitas barreiras comerciais contra sapatos fabricados na China e a mudança ao Vietnã é uma forma de contornar essa limitação."Para as empresas americanas, por exemplo, vale muito à pena, pois elas vendem ao México e lá os calçados chineses chegam a ser sobretaxados em mais de 1000%", afirma.A Azaléia compra alguns calçados do Vietnã, mas, segundo Wolff, a China ainda é a principal fornecedora.Segundo os empresários, tem sido cada vez mais comum a chamada estratégia "China +1". A idéia é diluir o risco de concentrar todos os investimentos na Ásia em um único país. Além da diluição de riscos, outro motivo por trás da busca de alternativas é o aumento de custos no território chinês. A moeda chinesa, o iuan, vem se valorizando recentemente e somente em 2008 subiu 5,5% frente ao dólar. Além disso, uma nova lei trabalhista que entrou em vigor em janeiro encareceu salários e dificultou o processo de demissão.Do ponto de vista brasileiro, porém, o movimento está em fase inicial. O comércio entre Brasil e Vietnã ainda é muito baixo, embora esteja em crescimento. Entre 2003 e 2007 o comércio bilateral aumentou em 652% - em 2007 as trocas alcançaram US$ 306,9 milhões, dos quais US$ 207,3 milhões foram exportações e US$ 99,6 milhões importações.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.