Brasileiros já pagaram R$ 500 bilhões em impostos em 2015

Impostômetro, da Associação Comercial de São Paulo, alcançará esta marca na noite desta segunda-feira, nove dias antes do que em 2014; quantia seria suficiente para pagar a conta de luz de todos os brasileiros por mais de 33 mil meses

Álvaro Campos, O Estado de S. Paulo

06 Abril 2015 | 11h18

Com nove dias de antecedência em relação ao ano passado, o Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) chega à marca de R$ 500 bilhões nesta segunda-feira, por volta das 19h30. Em 2014, o valor foi alcançado somente no dia 15 de abril.

"Essa informação nos mostra que a arrecadação continua crescendo, apesar do baixo nível de atividade econômica. Isso decorre dos efeitos da inflação e da revisão das desonerações", avalia Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). Desde que tomou posse, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, vem adotando uma série de medidas para recompor a arrecadação, com reversão de benefícios tributários e aumento de alíquotas.

O valor de R$ 500 bilhões equivale ao montante pago pelos brasileiros em impostos, taxas e contribuições desde o primeiro dia do ano. O dinheiro é destinado à União, aos Estados e aos municípios.

O painel do Impostômetro está localizado na Rua Boa Vista, no centro da capital paulista, e já virou ponto de referência na região e na cidade. Implantado em 2005 pela ACSP, o painel tem o objetivo de conscientizar o cidadão sobre a alta carga tributária e incentivá-lo a cobrar os governos por serviços públicos de qualidade. Também é possível acompanhar pela internet a evolução dos impostos no site do Impostômetro

Segundo o site do Impostômetro, a quantia atual, que gira em torno de R$ 498 bilhões, seria suficiente para pagar 33.261 meses a conta de luz de todos os brasileiros, construir mais de 36.095.546 salas de aula equipadas ou ainda contratar mais de 30.938.959 policiais por ano.

Mais conteúdo sobre:
impostoimpostômetro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.