Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

R$ 9 bilhões de brasileiros 'desaparecem' de contas na Suíça

Redução dos valores depositados coincide com período da Operação Lava Jato, regularização de ativos e com a entrada em vigor de acordos de troca automática de informações fiscais

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2018 | 03h00
Atualizado 02 Dezembro 2018 | 11h36

GENEBRA - O volume de dinheiro mantido por brasileiros na Suíça despencou nos últimos anos e, pelo menos oficialmente, cerca de R$ 9 bilhões deixaram de fazer parte da contabilidade do país europeu como sendo de origem brasileira entre 2015 e 2017. Os dados são do Banco Nacional da Suíça, o BC local.

De acordo com as estatísticas do banco, os brasileiros mantinham contas na Suíça com um acumulado de quase 4,1 bilhões de francos suíços (R$ 15,8 bilhões) em 2015. Em 2016, esse volume já havia sido reduzido substancialmente, para apenas 2,48 bilhões de francos suíços (R$ 9,5 bilhões). Ao final de 2017, o volume caiu para cerca de 1,7 bilhão de francos suíços (R$ 6,5 bilhões), o menor montante em mais de dez anos.

Fontes no setor financeiro de Genebra apontaram ao Estado que esse volume seria apenas a ponta de um iceberg e que recursos que não aparecem como sendo de brasileiros continuam camuflados. Ainda assim, os números oficiais do BC sobre os brasileiros são considerados como indicadores do movimento que se seguiu diante da pressão sobre a conta de cidadãos do Brasil em diversos bancos em Genebra, Zurique ou Lugano.

Raoul Wurgler, representante da Associação de Bancos Estrangeiros na Suíça, aponta que um dos movimentos que sua entidade detectou a partir de relato dos bancos foi a “relutância” de clientes brasileiros diante da troca de informações automática, que passou a ocorrer em 2018. Em 2016, Suíça e o Brasil assinaram uma declaração conjunta sobre a aplicação da troca automática mútua de informações em matéria fiscal. O acordo estabelecia que, a partir de 2018, seriam coletadas informações sobre as contas financeiras de brasileiros em bancos suíços e os dados começariam a ser compartilhado com a Receita Federal no Brasil a partir de 2019. “O que ouvimos de bancos é de que houve um movimento de brasileiros para transferir o dinheiro para outras jurisdições”, indicou. Entre elas, estariam os EUA.

A reportagem ouviu banqueiros que apontaram que, entre os argumentos usados pelos clientes brasileiros para tirar o dinheiro, estava o medo de que os dados fiscais fossem usados para "chantagem" no Brasil por parte de autoridades.

Mas há também quem aponte para outro fenômeno: a desnacionalização dos recursos. Parte dos ativos de brasileiros depositados hoje na Suíça não está em nome dos clientes, mas de suas empresas offshore situadas no Panamá, Bahamas, Ilhas Virgens Britânicas ou outros paraísos fiscais. Uma das possibilidades é de que essa tendência tenha se fortalecido nos últimos anos. No caso das Bahamas, por exemplo, os depósitos de “nacionais” do pequeno país chegariam a 21 bilhões de francos na Suíça. No total, centros offshore teriam 209 bilhões de francos depositados na Suíça.

Antes mesmo da troca automática de informação, as contas de brasileiros já estavam na mira, inclusive dos bancos suíços. Na Operação Lava Jato, o Ministério Público em Berna abriu cerca de cem inquéritos e congelou mais de US$ 1 bilhão em 42 bancos. As instituições financeiras foram ainda alertadas a redobrar a atenção em relação a clientes brasileiros, principalmente aqueles com um volume importante de recursos ou aqueles com uma exposição pública no Brasil.

Bancos, segundo o Estado apurou, passaram a fazer um pente-fino nas contas de executivos brasileiros. Hoje, pelo menos um banco suíço está sendo investigado criminalmente por ter ajudado brasileiros a lavar dinheiro, em Lugano.

Houve ainda um terceiro fator: o programa de repatriação de ativos, que teria levado de volta ao Brasil cerca de R$ 3,5 bilhões. Mas o que banqueiros suíços apontam é que a grande parte dos recursos regularizados permaneceram fora do Brasil.

A queda do dinheiro de brasileiros levou o total de ativos latino-americano na Suíça de um total de 28 bilhões de francos suíços para cerca de 17,8 bilhões de francos em apenas quatro anos. Além do Brasil, o México também foi envolvido em um amplo programa de repatriação de recursos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.