Braskem: investimento no Peru chegará a US$ 2,5 bi

O presidente da Braskem, José Carlos Grubisich, disse hoje que a companhia vai compor um grupo de trabalho juntamente com a Petrobras para definir os detalhes do empreendimento petroquímico em que ambas vão participar no Peru. Segundo ele, os investimentos devem chegar a US$ 2,5 bilhões para a produção de 1,2 milhão de toneladas anuais de polietileno. A idéia é atender ao mercado do Sudeste Asiático, além da costa do Pacífico, especialmente os Estados Unidos.Segundo o executivo, os investimentos seriam divididos entre Braskem, Petrobras e Petroperu. A Braskem já tem programados outros US$ 3,5 bilhões para serem investidos em unidades petroquímicas na Venezuela. Mas, segundo Grubisich, o caixa da empresa não será comprometido substancialmente. O memorando de intenções sobre o empreendimento foi assinado no último sábado no Peru, pelas duas empresas em parceria com a Petroperu."Agora vamos partir para os estudos técnicos e verificar a viabilidade econômica do projeto", disse o dirigente da empresa petroquímica, em entrevista após participar de congresso da indústria petroquímica, que reúne empresários e especialistas do setor no Rio de Janeiro.Segundo ele, está entre as principais vantagens da central petroquímica no Peru o fato de o país ter acordo de livre comércio com os Estados Unidos, e por isso ficar livre dos impostos de importação naquele país. Além disso, a matéria-prima a ser utilizada é o gás natural, que tem mais vantagem econômica que a nafta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.