Braskem passa a ser oitava maior produtora de resinas

Considerando apenas a produção nas Américas, a comapnhia aparece na primeira colocação no ranking

André Magnabosco e Kelly Lima, da Agência Estado,

22 Janeiro 2010 | 14h48

A incorporação dos ativos da Quattor transformou a Braskem na oitava maior do mundo em produção de resinas, com produção total de 5,5 milhões de toneladas por ano, metade da capacidade da primeira colocada, Lyondell Basell (10,91 milhões de toneladas por ano).

No mundo, ainda à frente da Braskem estão, por ordem classificatória, além da Lyondell Basell, a Exxon Mobil (9,3 milhões), a Sinopec (8,6 milhões), a Dow (7,7 milhões), Formosa (7,2 milhões), Sabic (7,1 milhões) e Ineos (6,5 milhões).

Considerando apenas a produção nas Américas, ou seja, excluindo o volume produzido em outros países fora da América do Norte e Latina, a Braskem é a primeira no ranking, com 200 mil toneladas à frente da Exxon Mobil.

 

Acima das previsões

 

O anúncio em torno da compra da Quattor pela Braskem, operação aguardada pelo mercado desde o ano passado, trouxe como principal novidade o porte do aumento de capital da petroquímica. A decisão por uma operação que deverá movimentar entre R$ 4,5 bilhões e R$ 5 bilhões superou as cifras entre R$ 3 bilhões e R$ 4 bilhões que chegaram a ser comentadas recentemente por pessoas próximas às conversações.

 

Outra novidade, mas que já era prevista diante dos rumores de pressão feita pela Petrobras, foi a resolução de que a companhia, chamada de Nova Braskem, assumiria uma participação no Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj) e no Complexo Petroquímico de Suape. O acordo prevê que a Braskem assumirá as sociedades que desenvolvem a primeira e segunda gerações do Comperj e, gradativamente, comprará participação nas sociedades que desenvolvem o Complexo de Suape.

 

O valor a ser investido pela Braskem na compra de ativos da Unipar foi de R$ 870 milhões, dentro do intervalo de R$ 800 milhões a R$ 900 milhões divulgado por fontes anteriormente. A inclusão da Unipar Comercial e da Polibutenos no negócio, que tem como principal ativo a Quattor, também já havia sido divulgada.

 

Com a operação, a Braskem assumirá a dívida líquida de R$ 6,685 bilhões acumulada por Quattor, Unipar Comercial e Polibutenos. A dívida líquida da Braskem ao final do terceiro trimestre de 2009 era de R$ 7,347 bilhões, o que resulta em uma dívida líquida total de R$ 14,032 bilhões. O Ebitda da Braskem entre janeiro e setembro somou R$ 1,861 bilhão, enquanto o Ebitda da Quattor no período foi de R$ 428,3 milhões. O Ebitda da Unipar Comercial no período atingiu R$ 13,2 milhões, enquanto o Ebitda da Polibutenos somou R$ 14 milhões.

Mais conteúdo sobre:
petroquímica Braskem Quattor resinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.