Braskem prevê alongar mais de 50% da dívida com a Petrobrás

Vencimento de US$ 300 milhões é referente ao processo de fechamento do capital da Copesul

André Magnabosco, da Agência Estado,

18 de agosto de 2009 | 14h36

O vice-presidente financeiro e de relações com investidores da Braskem, Carlos Fadigas, afirmou nesta terça-feira, 18, que a petroquímica pretende alongar mais da metade do vencimento de US$ 300 milhões acordado com a Petrobrás International Finance, uma subsidiária da Petrobrás, referente ao processo de fechamento do capital da Copesul. O valor restante deverá ser quitado ao término do prazo, no próximo mês de outubro. "Nosso objetivo é alongarmos pouco mais da metade (do valor total) e pagar entre US$ 100 milhões e US$ 150 milhões", disse Fadigas, após encontro com analistas e investidores realizado nesta terça-feira em São Paulo. O executivo não informou sobre o prazo proposto para o novo vencimento.

 

O valor negociado com a subsidiária da Petrobrás respondia, ao final do segundo trimestre deste ano, por mais da metade dos vencimentos da Braskem para o restante de 2009. De acordo com o balanço de segundo trimestre divulgado pela empresa na semana passada, os vencimentos totais da petroquímica até dezembro somavam R$ 1,136 bilhão, dos quais R$ 610 milhões referentes ao acordo citado anteriormente. Esse montante, no entanto, já caiu para abaixo de R$ 600 milhões devido à valorização do real frente ao dólar desde o final de junho passado.

 

Além do acordo de alongamento da dívida referente ao fechamento do capital da Copesul, a Braskem também negocia com a Petrobrás melhorias nas condições de pagamento para a compra de matéria prima. "Continuamos pedindo à Petrobrás mais tempo para pagar e melhores condições de juros", ressaltou.

 

Tradicionalmente os prazos de pagamento são de até 15 dias, mas a Braskem defende que esse prazo possa ser estendido para acima de 60 dias, conforme vem sendo negociado pela empresa desde antes da assinatura do acordo com a estatal a respeito do fornecimento de nafta.

Tudo o que sabemos sobre:
BraskemdívidaPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.