finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Brenco investirá US$ 2,3 bi em dez destilarias no Brasil

A Companhia Brasileira de Energia Renovável (Brenco) confirmou hoje que o total de investimentos na construção de dez destilarias no Brasil será de US$ 2,3 bilhões, cerca de RS 4,6 bilhões, até 2015, quando todas estarão em operação. As usinas, que começam a moer em 2011, terão capacidade máxima de processar 40 milhões de toneladas de cana-de-açúcar e de produzir 4 bilhões de litros de álcool por safra. O volume corresponderá a cerca de 12% da oferta brasileira projetada para a metade da próxima década.Em entrevista à Agência Estado, Rogério Manso, vice-presidente executivo da Brenco, afirmou que a companhia irá destinar dois terços da produção de álcool para a exportação e o restante irá escoar no mercado interno. Para isso, a Brenco prevê investimentos futuros em logística, principalmente em dutos e ferrovias, já que as unidades previstas estão em pólos no novo cinturão canavieiro do País.Dos dez projetos de construção (greenfield) previstos pela Brenco, cinco já foram ratificados. Dois serão em Mineiros (GO), um em Perolândia (GO), outro em Alto Taquari (MT) e o mais novo, a ser anunciado oficialmente no próximo dia 15, será em Costa Rica (MS). "Nosso projeto prevê uma integração da produção em pólos, com unidades industriais próximas. Além desses três Estados do Centro-Oeste, é possível termos um pólo com algumas usinas em Minas Gerais", disse Manso.InvestimentosDos investimentos previstos, US$ 500 milhões já foram disponibilizados para as primeiras operações: US$ 200 milhões foram captados entre os sócios brasileiros e estrangeiros, por meio de uma oferta privada de ações, e outros US$ 300 milhões foram aportados recentemente no País. Entre os sócios-investidores brasileiros da Brenco estão o ex-presidente da Petrobras Philippe Reichstul e o empresário Ricardo Semler. Já entre os investidores estrangeiros estão Vinod Khosla, fundador da Sun Microsistems, Stephen Case, da AOL, e James Wolfensohn, ex-presidente do Banco Mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.