Breves

TEMPOS DIFÍCEISDispara calote de empresas dos EUAO número de empresas americanas que deixaram de pagar dívidas elevou-se a cinco em janeiro. O resultado é o pior em 28 meses, com mais de US$ 4 bilhões em dívidas não pagas, de acordo com relatório da Standard & Poor?s. Já a chefe de pesquisa em renda fixa global da S&P, Diane Vazza, disse que a agência está monitorando cerca de 80 companhias dos EUA consideradas em risco de calote. Entre elas, Chiquita Brands e Blockbuster. A Moody?s diz que há 41 empresas americanas já em violação de seus contratos de dívida ou que, provavelmente, vão violá-los nos próximos 12 meses. TODDYNHO DA DISCÓRDIAPepsico terá de pagar multa de R$ 47 milO Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça, anunciou ontem a aplicação de uma multa de R$ 47,3 mil à Pepsico do Brasil por "maquiagem" de produtos. A punição foi dada por causa de uma redução da quantidade do produto Toddy Pronto, que passou de 250 ml para 200 ml. Segundo o DPDC, a redução ocorreu sem a devida informação "ostensiva e destacada" aos consumidores. DEVO NÃO NEGO1,6% foi o aumento no volume de cheques devolvidos por falta de fundos em janeiro, na comparação com dezembro. A cada 1 mil compensados, 19 foram devolvidos 2 vezes2,4 milhões foi o número de cheques devolvidos por falta de fundos em janeiro. Para a Serasa, o pagamento de despesastípicas do período, como IPVA e IPTU, explica o calote CONSELHO DO FMIFrança tem de mudar regras de trabalhoDepois de reduzir a projeção de crescimento da França em meio ponto porcentual, para 1,5% este ano, o Fundo Monetário Internacional (FMI) insistiu ontem que o país precisa promover reformas no mercado de trabalho. Em nota, o FMI disse que a rigidez do mercado de trabalho e do setor de serviços é a raiz dos problemas de crescimento francês. Os membros do Conselho Executivo do FMI aconselharam o governo a pôr limites nos reajustes futuros do salário mínimo, afrouxar as normas que regem as 35 horas de trabalho semanais e flexibilizar os contratos para facilitar a admissão e dispensa dos empregados.FRAUDE NO INSSDez pessoas são presas em ManausA Polícia Federal prendeu ontem 10 pessoas em Manaus acusadas de fraudar auxílio-doença e pedidos de aposentadoria por invalidez no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Foram presos um médico perito do INSS, 2 servidores, 4 médicos particulares e 6 agenciadores, todos acusados de terem causado prejuízo de cerca de R$ 1,2 milhão ao mês aos cofres públicos ou até R$ 14 milhões em um ano. Em três anos, quatro operações da PF foram deflagradas tendo como alvo o desvio de funções do INSS no Amazonas. No País, foi a quinta operação este ano. Foram feitas 57 prisões, sendo 14 de servidores do INSS.

O Estadao de S.Paulo

21 de fevereiro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.