Breves

QUEDA LIVRESuperávit comercial despenca 62% no anoA balança comercial registrou superávit de US$ 319 milhões na segunda semana de abril, com exportações de US$ 3,072 bilhões e importações de US$ 2,753 bilhões. No mês, o superávit acumulado é de US$ 1,161 bilhão e, no ano, de US$ 3,998 bilhões, resultado 61,9% menor do que o obtido no mesmo período de 2007. Apesar da queda no valor acumulado no ano, o saldo das duas primeiras semanas deste mês já superou o resultado de todo o mês de março, que foi de US$ 1,012 bilhão. A recuperação se deve principalmente à desaceleração do ritmo de crescimento das importações. NOVA METALuz para Todos será ampliado em 50%O governo vai aumentar em 50% o número de pessoas atendidas pelo programa Luz Para Todos, que passarão de 10 milhões para 15 milhões, até 2010. O novo coordenador do programa, Hélio Morito, tomou posse ontem. Para cumprir a nova meta, serão necessários investimentos de R$ 6 bilhões. Tais recursos se somarão aos R$ 12,7 bilhões antes previstos, dos quais R$ 7,8 bilhões financiados pelo governo federal. Os governos estaduais contribuem com R$ 1,4 bilhão e o R$ 1,6 bilhão restante é bancado pelas concessionárias e cooperativas de eletrificação rural.DISPARADA16,4% é a alta acumulada do petróleo no ano. Somente ontem, os contratos para maio em NY fecharam em US$ 111,76 em meio a problemas de oferta e recuo do dólarEFEITOS DO SUBPRIMEWachovia lança ações e reduz dividendosAbalado por uma deterioração da qualidade do crédito e pela inoportuna compra de uma financiadora de hipotecas, o banco Wachovia fez ontem uma oferta de US$ 7 bilhões em ações e poupará outros US$ 2 bilhões com a redução de 41% em seus dividendos. No fim da manhã de ontem, as ações do banco caíam 10,25% na Bolsa de Nova York. As medidas são uma resposta ao prejuízo de US$ 350 milhões no primeiro trimestre, após um lucro de US$ 2,3 bilhões no mesmo período de 2007. As perdas decorreram de US$ 2 bilhões em baixas contábeis de ativos e US$ 2,1 bilhões em novas provisões contra créditos irrecuperáveis.PROPOSTA DE PARCERIAÍndia quer mais comércio com BrasilEm sua primeira visita a um país estrangeiro desde que foi eleita, em julho, a presidente da Índia, Pratibha Patil, disse que um dos objetivos de seu governo é elevar o volume do comércio bilateral entre Brasil e Índia para US$ 10 bilhões até 2010. A corrente comercial atingiu US$ 3,1 bilhões em 2007, ante US$ 500 milhões em 2000. No primeiro bimestre, o comércio bilateral somou US$ 600 milhões, e a expectativa é de que atinja US$ 4 bilhões até o fim de 2008. O Brasil é o maior parceiro comercial da Índia na América Latina. Os países atuam juntos nas reuniões da Organização Mundial do Comércio sobre a Rodada Doha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.