Breves

COMÉRCIO EXTERIORSuperávit da balança está em US$ 1,131 bilhãoA balança comercial registrou superávit de US$ 1,131 bilhão na terceira semana de junho (15 a 21), resultado de exportações de US$ 3,435 bilhões menos importações de US$ 2,304 bilhões. Com isso, no mês, o saldo acumulado da balança é positivo em US$ 3,076 bilhões, valor que já supera o superávit de US$ 2,728 bilhões registrado em todo o mês de junho do ano passado. No ano, a balança comercial acumula um superávit de US$ 12,448 bilhões. Esse resultado é 23,6% superior aos US$ 10,074 bilhões registrados no mesmo período do ano passado. MAIS CRÉDITOFGC começa operar em duas semanasO ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que os fundos garantidores de crédito para micro e pequenas empresas estarão funcionando em duas semanas. O ministro afirmou que um dos fundos agregará R$ 1 bilhão aos R$ 700 milhões que já existem à disposição do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Outro fundo deve ser operado pelo Banco do Brasil e receberá recursos de forma gradual, que podem chegar a R$ 4 bilhões. BALANÇA CHINESA64% foi o aumento das importações de celulose pela China em maio, em comparação a igual período do ano passado, para 1,32 milhão de toneladas, informou a Associação Geral de Alfândegas do país. As exportações de celulose pelo país somaram 7,68 mil toneladas no mês passadoCRESCE OTIMISMOMelhora sentimento corporativo japonêsAs grandes companhias japoneses ficaram menos pessimistas quanto à economia no segundo trimestre, quando um ligeiro aumento da demanda global melhorou o sentimento entre as empresas de manufatura. De acordo com a pesquisa trimestral sobre o sentimento corporativo, realizada conjuntamente pelo Ministério das Finanças e pelo Escritório do Gabinete do Governo do Japão, o índice do sentimento de negócios das grandes companhias ficou em 22,4 negativos no período abril-junho. Apesar de negativa, a leitura é uma clara melhora em relação ao recorde de baixa registrado no trimestre anterior, de -51,3.PARA CONTER INFLAÇÃOMoeda russa pode ter câmbio flutuanteA Rússia poderá permitir que o rublo flutue livremente dentro de dois anos, informou ontem a agência de notícias ?Interfax?, citando o presidente do conselho do banco central russo, Sergei Ignatyev. O principal objetivo do banco central é mudar a política monetária para poder trabalhar com metas de inflação, disse Ignatyev durante encontro com membros da Câmara Baixa do Parlamento. Ignatyev afirmou também que o banco central russo ainda não apoia a ideia de criar um banco de ativos ruins. Segundo ele, isso é desnecessário, uma vez que as medidas atuais de recapitalização bancária são suficientes. "Minha mensagem no presente momento seria para não aumentar as decisões já tomadas tanto no lado fiscal quanto no apoio ao sistema financeiro"Jean-Claude Trichet, presidente do Banco Central Europeu (BCE)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.