Breves

MAIS UM RECORDEBNDES empresta R$ 35 bi à infra-estruturaO Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) registrou neste ano um volume recorde de aprovações para a infra-estrutura: R$ 35 bilhões. De acordo com a instituição, os financiamentos vão impulsionar investimentos de R$ 52 bilhões, principalmente nas áreas de energia elétrica, gás e petróleo, logística e telecomunicações. "A partir de 2004, houve uma tendência crescente de investimentos na infra-estrutura", disse o diretor de infra-estrutura do BNDES, Wagner Bittencourt. Segundo ele, a marca corresponde a 92 projetos, que deverão ser concluídos no prazo médio de três anos.EM RESPOSTATarso desafia OCDE a apontar corruptosO ministro da Justiça, Tarso Genro, desafiou ontem OCDE a apontar os focos de corrupção no governo e quem são seus agentes. Segundo Tarso, nunca antes no Brasil se combateu tanto a corrupção e o crime organizado como atualmente e o País não teme nenhum cotejo de organismos externos, mas é preciso que haja colaboração. Foi uma resposta ao relatório da entidade pedindo para o governo ser mais duro com a corrupção.ALÍVIO NO TRABALHO14,6% foi a taxa de desemprego nas seis regiões metropolitanas em novembro, segundo Seade/Dieese. Em outubro, era de 15%. São 2,8 milhões de pessoas desocupadas 18,2% foi o aumento no número de trabalhadores ocupados na construção civil em novembro, na comparação com o mesmo mês de 2006. O setor é destaque na pesquisa ANO FÉRTILPoupança financiou 198 mil imóveisO crédito imobiliário com recursos da poupança deverá fechar 2007 em R$ 18,6 bilhões, o dobro do volume concedido em 2006, segundo a Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Esse dinheiro foi usado no financiamento de 198 mil imóveis. Para 2008 a 2010, o crescimento deve seguir um ritmo de 25% ao ano.TRANSPARÊNCIANovas regras para balanço de empresas Depois de sete anos de tramitação no Congresso, foi aprovada pelo Senado, na noite de terça-feira, a Lei Contábil, que harmoniza as normas internas dos balanços das empresas com as internacionais. "Era um projeto de vanguarda quando enviamos para o Congresso, hoje estamos correndo atrás do prejuízo", comentou o secretário-adjunto de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Otávio Damásio, referindo-se à longa tramitação. Segundo ele, cem países já obrigam suas empresas a apresentar balanços com base no Iasb, um conselho europeu de padrão contábil. O texto, que fortalece a CVM, segue para sanção de Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.