carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

BRF faz oferta por unidade da Leite Nilza

A BRF - Brasil Foods iniciou negociações com a Indústria de Alimentos Nilza para adquirir a unidade de processamento e produção de leite longa vida da empresa em Ribeirão Preto (SP). A proposta feita à Nilza pela BRF, que a empresa diz ser "uma manifestação de interesse em negociar", prevê pagamento de R$ 60 milhões pelo ativo.

Gustavo Porto / RIBEIRÃO PRETO, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2011 | 00h00

O pedido passou por avaliação do juiz da 4.ª Vara Cível da cidade paulista, Héber Mendes Batista, que cuida do processo de recuperação judicial da Nilza e que decretou falência da indústria láctea em 25 de janeiro. Advogados da Nilza conseguiram no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) uma liminar para suspender a falência até o julgamento do recurso. Em seu último despacho, Batista determinou que um acordo entre a BRF e a Nilza depende, inicialmente, da resolução do imbróglio jurídico. Caso a falência seja suspensa e a recuperação judicial prossiga, a proposta teria de ser aprovada ainda por assembleia de credores da Nilza.

O vice-presidente de Assuntos Corporativos da BRF, Wilson Mello, confirmou o interesse. Mas acrescentou que não há ainda uma proposta firme de aquisição e que, além das questões judiciais e processuais, um negócio só seria firmado após novas conversas, bem como auditorias no ativo.

Segundo Mello, a BRF entende que um acordo com a Nilza não dependeria de avaliação do Conselho de Administrativo de Defesa Econômica (Cade), pois o negócio de lácteos foi excluído pelo órgão antitruste do processo de fusão entre a Sadia e a Perdigão, que gerou a BRF. Mello disse ainda que o valor de R$ 60 milhões foi proposto após uma visita técnica na unidade e, caso o negócio seja fechado, a empresa tem interesse em produzir lácteos das marcas Elegê ou Batavo.

O próximo passo do negócio é o julgamento do agravo de instrumento (recurso) feito pelos advogados da Nilza para reverter a falência da companhia, decretada após o juiz apontar fraude no processo de recuperação judicial. Em fevereiro, os representantes da Nilza conseguiram a suspensão da falência liminarmente no TJ-SP, até que a Câmara de Falências e Recuperações Judiciais do órgão avalie o recurso, o que deve ocorrer no dia 31 de maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.