André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

BRF vai recorrer 'em todos os âmbitos' por ter sido citada na operação Zelotes da PF

Ação da Polícia Federal investiga bancos e grandes empresas que teriam pago suborno a agentes do tribunal fiscal da Receita Federal e Fazenda

O Estado de S. Paulo

28 de março de 2015 | 16h41

A BRF, empresa criada a partir da fusão entre Sadia e Perdigão, informou que “tomará todas as providências necessárias para resguardar seus interesses em todos os âmbitos” por ter sido citada entre as empresas investigadas na operação Zelotes da Polícia Federal.

Reportagem publicada neste sábado pelo jornal “O Estado de S. Paulo” mostrou que grandes empresas de vários setores, entre elas a BRF, são investigadas na Operação Zelotes por suspeita de pagar ou negociar suborno a conselheiros do  Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) para apagar ou reduzir débitos em discussão com a Receita.

Veja a lista das empresas citadas na investigação aqui.

O Estado teve acesso a 29 nomes de uma relação de 70 grupos que são alvos da operação. De acordo com os investigadores, a lista de empresas sob suspeita pode diminuir ou aumentar, a depender das provas colhidas no inquérito. Por ora, nenhuma denúncia foi ajuizada.  

Em nota, a BRF ressaltou que “todas aspráticas relacionadas às suas atividades se pautam estritamente pela éticae pelo cumprimento da legislação brasileira e as de todos os países ondeatua”. 

A BRF disse que lamenta ter “seu nome exposto em lista deorigem desconhecida, tratando de empresas supostamente investigadas.E informou que “tomará todas as providências necessárias para resguardarseus interesses em todos os âmbitos.”

Tudo o que sabemos sobre:
Operação ZelotesPolícia FederalBRF

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.