Bric anuncia coordenação para reformar sistema financeiro

As quatro maiores economias emergentes do mundo, que formam o bloco conhecido como Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), vão atuar de forma coordenada na reforma do sistema financeiro internacional. A decisão foi tomada hoje, ao término da primeira Cúpula do Bric, realizada em Ecaterimburgo, na Rússia.

ANDREI NETTO, ENVIADO ESPECIAL, E NATHÁLIA FERREIRA, Agencia Estado

16 de junho de 2009 | 13h25

A estratégia visará em especial a próxima reunião do G-20 (grupo formado pelas 20 maiores economias do mundo, representadas por 19 países desenvolvidos e emergentes e pela União Europeia), marcada para setembro, nos Estados Unidos, mas já será posta em prática no encontro do G-7 (grupo que reúne os sete países mais industrializados do mundo), no mês que vem, na Itália.

O anúncio da cooperação foi formalizado na declaração oficial do evento pelo presidente russo, Dmitri Medvedev. "Vamos coordenar o nosso trabalho. Vamos agir de uma maneira forte e permanente", afirmou o chefe de Estado, referindo-se à agenda global de reforma do sistema financeiro.

Segundo Medvedev, os presidentes dos bancos centrais e os ministros das Finanças, de Energia e Agricultura dos quatro países do Bric farão encontros periódicos para organizar as estratégias comuns. Segundo ele, a cúpula de hoje dos líderes dos países do Bric deve criar condições para uma "ordem mundial mais justa". Ele descreveu o encontro como "histórico".

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, ratificou o consenso. "Os Brics poderão agir de forma conjunta, sobretudo em termos financeiros." Com informações da agência Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BricsEcaterimburgo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.