Brics vão abrir banco conjunto com capital de US$ 50 bilhões, diz fonte

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul fariam contribuições de mesmo valor, encerrando disputas sobre o financiamento e administração do banco

Agência Estado

28 de agosto de 2013 | 12h30

NOVA DÉLHI - O grupo de países emergentes conhecido como Brics, que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, chegou a um acordo para a estrutura de capital de um futuro banco conjunto.

Ficou acertado que a instituição terá um capital total de R$ 50 bilhões, para o qual todos os integrantes do grupo contribuirão igualmente, afirmou nesta quarta-feira uma autoridade sênior indiana ao jornal The Wall Street Journal.

O acordo provavelmente encerrará disputas anteriores sobre o financiamento e administração do banco. A princípio, a China havia proposto um aporte de capital de US$ 100 bilhões e uma participação maior na instituição.

Outras questões importantes, como propostas para que o grupo ofereça uma participação minoritária no banco a nações desenvolvidas como os EUA, ainda precisam ser melhor discutidas. Segundo o oficial indiano, o Brics está considerando a possibilidade de oferecer uma parcela de 40% a 50% a países de fora do grupo.

A presença de economias desenvolvidas na instituição a ajudaria a garantir ratings maiores e captar fundos mais baratos no mercado. Os ratings dos Brics são variados.

A fonte indiana disse também que a localização do futuro banco conjunto também não foi definida ainda. De acordo com o oficial, as questões pendentes deverão ser discutidas às margens das reuniões anuais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Washington, marcadas para 11 a 13 de outubro.

A proposta do banco conjunto foi apresentada pela primeira vez durante uma reunião de cúpula dos Brics, em março de 2012. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Bricsbancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.