Briga pela liderança do ranking privado se acirra

A diferença do Itaú para o Bradesco ao final do segundo trimestre era a menor desde que o banco das famílias Villela e Setubal se uniu ao Unibanco, em novembro de 2008. Naquele momento, o banco fundido tinha ativos de R$ 575 bilhões. O Bradesco estava com R$ 423 bilhões - uma distância de R$ 152 bilhões.

O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2012 | 03h06

No fim de junho de 2012, a diferença caiu para R$ 58 bilhões, resultado de R$ 888 bilhões de ativos para o Itaú e R$ 830 bilhões para o Bradesco. Nos 12 meses encerrados em junho, os ativos do Itaú cresceram 12% e os do Bradesco, 20%.

Um dos fatores que contribuíram para a expansão maior dos ativos do Bradesco foi a estratégia de crescimento orgânico, com a abertura de mais de mil agências no segundo semestre do ano passado. O movimento reflete-se agora no balanço.

Além de se aproximarem em tamanho, os dois maiores bancos privados do País tiveram queda da rentabilidade, desaceleração do crédito e alta da inadimplência no segundo trimestre.

/ ALTAMIRO SILVA JÚNIOR e L.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.