Brinquedo com droga é recolhido

Bindeez, fabricado na China e importado pela Long Jump, pode conter droga associada ao golpe ?Boa Noite, Cinderela?

Ana Paula Lacerda, O Estadao de S.Paulo

09 de novembro de 2007 | 00h00

O Inmetro determinou ontem que seja feita a apreensão preventiva dos brinquedos Bindeez, importados para o Brasil pela Long Jump. "Apesar de ainda não ter sido determinado se os brinquedos que vieram para o Brasil têm problemas, achamos melhor retirar o produto das prateleiras", afirmou o diretor de qualidade da entidade, Alfredo Lobo. O recolhimento será feito pelo Instituto de Pesos e Medidas (Ipem) de cada Estado.O Bindeez, da empresa australiana Moose, é fabricado na China. Anteontem, a empresa iniciou um recall de cerca de 1 milhão de unidades do produto na Austrália, e ontem o processo foi iniciado nos Estados Unidos. O motivo foi a presença de uma substância semelhante ao ácido gama-hidroxibutírico (GHB) em alguns lotes - conhecido por ser utilizada como sedativo no golpe "Boa Noite, Cinderela".O gerente de comunicação da Moose, Peter Mahon, afirmou ontem a agências internacionais acreditar que os produtos contaminados deveriam estar concentrados na Austrália, mas que o produto era vendido em outros 40 países. No Brasil, a Long Jump iniciou uma série de testes para determinar se os lotes têm problemas. A empresa ainda não fez o cálculo de quantos brinquedos foram comercializados aqui.O Procon anunciou que notificará a Long Jump para pedir informações sobre as características do produto, se os lotes brasileiros oferecem risco ao consumidor e, em caso positivo, qual será a estratégia de recall. O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) diz que a comunicação com os consumidores deveria começar imediatamente. "No mínimo, a empresa deveria informar os consumidores sobre o que ocorreu no exterior e pedir que os pais deixassem o brinquedo longe das crianças até o fim dos testes", diz Marilena Lazzarini, coordenadora-executiva do Idec. A Pro Teste enviou uma carta ao Inmetro exigindo início imediato de um recall.Três crianças australianas e duas americanas foram hospitalizadas após comerem as bolinhas que compõem o Bindeez. Originalmente, o brinquedo é formado por esferas que, quando molhadas, aderem umas às outras formando desenhos. Nos produtos com problema, a substância aderente foi substituída pelo GHB. Dentre os problemas possíveis, dependendo da concentração de GHB, estão tonturas, desmaios, coma e até a morte.O diretor do Inmetro, Alfredo Lobo, diz que é difícil testar todos os tipos de substâncias tóxicas nos testes de brinquedos. "A cada dia surgem substâncias novas, e buscar por todas elas é inviável. Mas quando descobrimos alguma, aumentamos o grau de exigência dos fabricantes."Nos últimos quatro meses, cerca de 25 milhões de brinquedos produzidos na China passaram por processos de recall em diversos países. BRINQUEDOS PERIGOSOSPolly num Click, Batman e Barbie & Tanner: Em agosto deste ano, a Mattel anunciou um recall mundial de 21,8 milhões de brinquedos, dos quais 850 mil estavam no Brasil. Os brinquedos, fabricados na China, continham pequenos ímãs que poderiam se soltar e ser engolidos pelas crianças. Nos EUA, três crianças tiveram problemas ao engolir dois ímãs, que se grudaram dentro do organismo da criança, ferindo órgãos internos. No Brasil, uma criança engoliu um ímã e faz testes para verificar se o acidente deixou seqüelas Magnetix: Também em agosto, a Gulliver anunciou que cerca de 35 mil unidades do brinquedo Magnetix estavam sujeitas a problemas. O produto, fabricado na China pela empresa canadense MegaBrands, é importado pela Gulliver para ser vendido no Brasil e também continha ímãs que poderiam se soltar Acessórios para casa da Barbie e locomotiva Geotrax: No início de setembro, a Mattel anunciou um novo recall mundial, desta vez por ter detectado níveis excessivos de chumbo em 850 mil brinquedos fabricados na China e exportados. No Brasil, cerca de 7 mil itens deveriam ser devolvidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.