Brinquedos: selo do Inmetro pode ser falso

O selo do Instituto Nacional de Metrologia, Normatização e Qualidade Industrial (Inmetro) deveria ser o suficiente para proteger o consumidor na hora da escolha de um brinquedo. Mas não é. Todo cuidado é pouco, por causa da falsificação. Dos 500 milhões de brinquedos fabricados anualmente, o Inmetro inspecionou 3.562.057 até dezembro. Desse total, 2,8% estão sem o selo ou o selo é falsificado. De acordo com técnicos da Fundação Procon - órgão de defesa do consumidor - e do Inmetro, é difícil o consumidor reconhecer a diferença entre o autêntico e o falsificado. "A sofisticação do selo para os brinquedos encarece os produtos. Em alguns casos, pode ficar até mais caro que o brinquedo", comenta o diretor de credenciamento de qualidade do Inmetro, Alfredo Lobo.A dica dada pelos técnicos para checar a autenticidade do selo é observar se a letra "n" da marca Inmetro é maiúscula. Em caso negativo, o selo é falsificado. A outra é a numeração que tem de vir no selo.Risco de intoxicação Na "Operação Papai Noel", feita há duas semanas, o Inmetro também descobriu mais um alvo dos falsificadores, as bonecas Barbie. Nesse caso, a grande polêmica é por causa do cádmio e o chumbo - metais pesados - usados nas tintas que podem fazer mal às crianças. Mas o toxologista do Hospital das Clínicas Antony Wong explica que o risco de os metais pesados nesses casos intoxicar as crianças é pequeno, por causa da pouca quantidade. Segundo ele, para o chumbo intoxicar é necessário que a criança ingira o equivalente a uma bolacha redonda pequena usada para fazer canapé. "Não há essa quantidade de chumbo nas bonecas". O mesmo raciocínio vale para o cádmio. "O risco é muito pequeno por causa da dose", afirma. Independentemente do risco, para quem quer fugir dos produtos falsificados, a recomendação dos técnicos do Procon e do Inmetro é só comprar em lojas, jamais em camelôs. O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Brinquedos (Abrinq), Sinésio Batista, nem é tão enfático. "Nem recomendamos só comprar em lojas, mas sim só adquirir os produtos com o selo do Inmetro."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.