Britânico que perdeu poupança no caso Madoff se suicida

Ele descobriu que toda sua poupança, estimada em US$ 1 milhão, havia sido colocada no fundo de Madoff

Mary Jordan, do The Washington Post,

15 de fevereiro de 2009 | 17h29

Um ex-soldado britânico se matou após perder a poupança acumulada durante toda a vida, no alegado esquema de fraude de US$ 50 bilhões do financista Bernard Madoff. William Foxton, 65 anos, um soldado condecorado que perdeu um braço durante seu serviço militar e trabalhou em missões humanitárias da Organização das Nações Unidas, morreu vítima de um tiro na cidade inglesa de Southampton, segundo informes policiais. Ele aparentemente caminhou até um parque nas imediações da cidade, sentou-se num banco e se matou. O filho de Foxton, Willard, disse aos jornalistas que seu pai descobrira recentemente que toda sua poupança, estimada em US$ 1 milhão, que ele investia em fundos hedge, havia sido colocada no fundo de Madoff. Foxton havia retornado recentemente do Afeganistão, onde trabalhava como um contratado de defesa, quando ficou sabendo que suas poupanças estavam vinculadas a Madoff. O administrador financeiro está em prisão domiciliar em Nova York desde dezembro, acusado de gerir um enorme esquema de pirâmide financeira em escala global. "Eu desejo que Madoff e outros envolvidos saibam que têm o sangue de meu pai nas mãos", teria dito Willard Foxton. "Fiquei furioso. Meu primeiro pensamento foi aparecer no julgamento de Madoff em Nova York e atirar as medalhas de meu pai no seu rosto." Um vizinho disse numa entrevista telefônica no sábado que a esposa e os amigos de Foxton estavam desconsolados. Foxton trabalhou em Kosovo e fez muitas obras boas, disse o vizinho, que pediu para não ser nomeado.  Em certa ocasião, Foxton salvou uma criança num campo minado da antiga Iugoslávia e por isso foi condecorado pela rainha Elizabeth II, segundo notícias da imprensa confirmadas pelo vizinho.

Tudo o que sabemos sobre:
Madoff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.