Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Britânicos aceitam implantar microchips no corpo para pagar contas

Um em cada vinte adultos consumidores britânicos aceitaria a implantação de microchips em seu corpo para evitar o uso de cartões de crédito ou dinheiro vivo em suas compras, segundo umapesquisa do Instituto Britânico para o Estudo do Setor da Alimentação (IGD). O motivo, segundo apurou a pesquisa, é ajudar a evitar fraudes com cartões de crédito. Entre adolescentes, aproporção aumenta para um em cada dez consumidores. Um scanner permitiria ler o microchip, conectando-se imediatamente com os dados bancários e de pagamento do cliente. Segundo informa o jornal "The Times", a tecnologia já é utilizada atualmente para controlar animais como cavalos, cachorros e gatos. O mercado no varejo poderia pensar também em outros métodos de pagamento, como as impressões digitais e as técnicas dereconhecimento da íris. O jornal britânico informa ainda que o único caso conhecido de pagamento com microchips implantados no corpo humano é o da zona VIP de um clube de Barcelona. Eles recebem um microchip injetado nobraço que permite o acesso a algumas áreas, além de servir para pagar o consumo. Segundo a analista de mercado da IGD, Geraldine Padbury, embora muitos consumidores possam temer por sua privacidade, os adolescentes, que constituem a próxima geração de compradores, nãoterão preconceitos contra os chips.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.