Britânicos cobram regras sustentáveis para investir no Brasil

As empresas britânicas que têm interesses em investir no Brasil esperam apenas regras "sustentáveis que não impliquem mudanças constantes", garantiu nesta quinta-feira o novo presidente da Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil (Britcham), Aldo Castelli, pouco antes de tomar posse. Ele disse que a indústria e os investidores britânicos querem clareza que estimule a competição entre as empresas, tanto nacionais como estrangeiras. "Estimular a competição é a melhor forma de atrair investimentos para o Brasil", disse.Ele informou que, em abril, a Britcham estará organizando um seminário para debater a Parceria Público-Privada (PPP), iniciativa do governo federal que se espelhou, em parte, na experiência britânica para atrair investimentos privados. "Não tenho dúvidas de que a PPP será um sucesso", afirmou. Castelli informou também que, em maio, uma missão de empresários brasileiros, liderada por um ministro de Estado ? não disse qual ? estará visitando o Reino Unido.O executivo, também presidente da Shell Brasil, disse a cerca de 50 representantes de multinacionais e de empresas brasileiras que uma de suas metas será expandir a entidade. "Vamos tentar atrair empresas que já exportam para o Reino Unido", afirmou. Outra tentativa será de abrir filiais em outros Estados, como Pernambuco e Rio Grande do Sul, que já mostraram interesse. "Temos objetivos de negócios, não políticos", disse. A Britcham tem 280 empresas associadas. Segundo ele, o Reino Unido é o terceiro maior investidor no Brasil, atrás apenas dos Estados Unidos e da Espanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.