finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Britânicos exigem embargo da carne brasileira

Fazendeiros, que enfrentam focos de aftosa, dizem não entender tratamento dado pela UE ao País

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2010 | 00h00

O embargo contra a carne bovina inglesa imposto pela Europa está fazendo com que os produtores britânicos também exijam que a carne brasileira seja banida do mercado europeu. Ontem, em Dublin, produtores do Reino Unido e Irlanda se reuniram para declarar que querem que Bruxelas adote a mesma política contra a carne brasileira.Nos últimos dias, focos de febre aftosa foram detectados na região de Surrey, na Inglaterra, o que gerou um bloqueio da carne britânica por diversos governos, inclusive por todo o bloco europeu. O problema é que 90% da carne produzida no Reino Unido é para exportação e os britânicos já começam a calcular os prejuízos.Em uma declaração conjunta publicada ontem, a Associação de Fazendeiros da Irlanda e a União de Fazendeiros da Irlanda do Norte pedem a seus respectivos governos que pressionem ''''por um embargo imediato da União Européia sobre as importações de carne brasileira diante dos riscos desnecessários e inaceitáveis que podem gerar para a Irlanda e para a Europa''''.''''Os fazendeiros que representamos não conseguem entender porque um embargo não é colocado, diante do fato de a aftosa ser endêmica no Brasil, enquanto medidas de precaução foram adotadas contra a carne britânica na Europa diante do surto em Surrey'''', afirma o comunicado assinado por Padraig Wakshe, presidente da Associação de Fazendeiro da Irlanda, e por Kenneth Sharkey, da União de Produtores da Irlanda do Norte.''''Estamos seriamente preocupados com o fato de que a União Européia continua enfrentando riscos desnecessários ao aceitar a carne brasileira, enquanto Estados Unidos, Austrália, Japão e Coréia do Sul rejeitam as importações brasileiras'''', afirma o comunicado.Os europeus também aplicam um embargo contra o Brasil, mas apenas contra os Estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul. O restante do País pode continuar exportando. Bruxelas ainda deixou claro que as queixas britânicas em relação ao Brasil têm motivos comerciais, e não de saúde. Portanto, não pensa em rever o embargo e deu até o final de 2007 para que o Brasil coloque em prática todos os procedimentos para permitir que as exportações nacionais sejam consideradas como adequadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.