Britânicos revêem cálculo da taxa Libor após alerta

A Associação de Bancos Britânicos (BBA, na sigla em inglês) está revendo seu processo para fixar diariamente a muito acompanhada Libor, a taxa de juro do mercado interbancário londrino, uma referência global para os juros de curto prazo. Em sua edição de hoje, o Wall Street Journal informou que os dados da Libor estão sendo colocados em dúvida desde novembro. A preocupação, prossegue o jornal, é que alguns bancos não querem informar a elevada taxa que estão pagando pelo crédito de curto prazo, porque não querem mostrar ao mercado que estão desesperados por caixa.Todas as manhãs, 16 bancos informam ao grupo Reuters seu custo para tomar empréstimos numa determinada moeda. A Reuters despreza as cotações mais altas e mais baixas e usa as demais para calcular a mediana da Libor, que serve de referência para empréstimos de curto prazo no mundo. A libor é calculada em dez moedas para 15 prazos."A BBA vai garantir que a taxa Libor em dólar BBA continuará a ser transparente, objetiva e acurada. As condições econômicas estão difíceis, sobretudo nos mercados de crédito; em resposta a BBA iniciou uma revisão anual no processo de fixação da taxa", disse um porta-voz da associação. Os resultados, acrescentou, serão anunciados no prazo devido.O Journal alertou que, num desenvolvimento que tem implicações para os tomadores de crédito do mundo todo, dos produtores de petróleo da Rússia aos mutuários de Detroit, bancos e operadores estão manifestando preocupação de que a Libor esteja se tornando menos confiável. A Libor é um indicador chave da saúde financeira dos bancos, subindo quando este setor está em crise, diz o jornal. Sua influência se estende muito além do segmento bancário. O juro cobrado sobre trilhões de dólares de dívida corporativa, hipotecas e contratos financeiros é reajustado de acordo com a Libor. Segundo o Journal, a BBA está investigando para identificar potenciais problemas. As questões sobre a Libor foram levantadas em novembro em reunião do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês, banco central do país), de acordo com as fontes do Journal. As minutas do encontro registram que "vários membros do grupo acham que a Libor tem estado abaixo do que estão de fato no mercado interbancário num período de estresse", diz o Journal. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.