Brown e Sarkozy pedirão para bancos revelarem baixas contábeis

O primeiro ministro britânico, GordonBrown, e o presidente francês, Nicolas Sarkozy, irão incentivaros bancos esta semana a fazer "uma abertura completa eimediata" das baixas contábeis relacionadas à crise global decrédito, afirmaram autoridades britânicas nesta segunda-feira. Os dois líderes estão cada vez mais preocupados que aconfiança no setor financeiro está sendo atingida pelasincertezas sobre a escala de créditos duvidosos nos balançosdos bancos, que alguns estimam chegar a até 600 bilhões dedólares, afirmou o gabinete de Brown. Sarkozy deve ter um conversa com Brown na quinta-feiradurante visita de dois dias à Grã-Bretanha, como convidado darainha Elizabeth. Os dois líderes "pedirão uma maior transparência nosmercados financeiros e, como primeiro passo, revelação completae imediata da escala das baixas contábeis pelos bancos",segundo comunicado do gabinete de Brown. A crise bancária, especialmente o colapso do banconorte-americano Bear Stearns, mostrou "a escala dos problemas eo efeito na estabilidade do mercado por conta de ativos dedifícil avaliação e prejuízos não revelados sendo apresentadosem doses homeopáticas", informa o comunicado. Os bancos acumulam baixas contábeis de até 125 bilhões dedólares de ativos desde novembro, o que tem pressionado suasações. Até o momento, as medidas dos bancos centrais e governosnão têm conseguido conter as turbulências nos mercados. Os dois chefes de Estado solicitarão mais diálogos com osEstados Unidos e outros países para discussão de "medidas parapromover a estabilidade financeira" em fóruns como as reuniõesdo G7, do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial,segundo informou o gabinete de Brown. A maior vítima da crise na Grã-Bretanha foi a financeiravoltada ao setor imobiliário Northern Rock, a qual o governodeBrown foi forçado a nacionalizar. As turbulências financeiras prejudicaram a imagem de Brownem relação à sua competência econômica e ajudaram a oposição ase fortalecer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.