BrT instala rede de fibra óptica em cinco capitais

Para atender os cerca de 200 mil assinantes de banda larga que espera conquistar no segundo semestre, elevando a base para mais de 1,9 milhão de clientes ao fim do ano, a Brasil Telecom (BrT) está investindo em novas plataformas tecnológicas. A concessionária instala uma rede de fibra óptica para uso residencial em cinco capitais e começou a explorar comercialmente seu serviço de banda larga sem fio via WiMax, que até o mês passado funcionava somente em caráter experimental. Ainda neste mês, a operadora de telefonia está lançando uma malha de fibra óptica em Goiânia (GO), Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS). E se ocupa em ampliar o número de bairros cobertos em Curitiba (PR) e Brasília (DF), onde a tecnologia funcionava desde o começo do ano em apenas quatro condomínios residenciais. O diretor de Planejamento e Infra-Estrutura da BrT, Marcelo Nobre Frasson, disse que o recurso permitirá ao cliente acessar a internet com uma velocidade de até 100 megabits por segundo (Mbps).A Alcatel-Lucent foi selecionada para lançar e fazer a manutenção das fibras, mas os equipamentos que farão a transmissão dos dados ainda serão escolhidos. Frasson justifica a aposta na rede de fibra óptica em razão da exigência pelo mercado da transmissão televisiva em alta definição. "Com o aumento da demanda por serviços multimídia, principalmente TV em alta definição, a tecnologia ADSL, que hoje suporta, no máximo, 25 Mbps, não será suficiente", explica. Por isso, a empresa diz estar firme no propósito de interligar as residências com fibra óptica, a fim de fornecer mais banda para serviços de comunicação de dados.A previsão de superar 1,9 milhão de usuários de banda larga até o fim do ano - 141 mil clientes foram adicionados à base no primeiro semestre e mais de 200 mil devem chegar até dezembro - também acelera a ampliação da infra-estrutura de acesso à internet rápida da BrT, conforme Frasson. Por isso, a empresa colocará no seu portfólio mais uma tecnologia, o WiMax, que complementará a oferta de banda larga em Curitiba (PR), Porto Alegre (RS) e São Paulo (SP). Ao comprar a Vant, em 2002, a BrT herdou uma licença para ofertar WiMax. A tecnologia WiMax será um recurso para a BrT preencher lacunas de cobertura, oferecendo acesso rápido à internet "onde não há alternativa". Mesmo porque a expansão da plataforma WiMax da BrT a outras cidades só será possível quando a Anatel licitar novas faixas de freqüência. Contudo, o edital do leilão ainda não tem data marcada para ser publicado. Diante da demora em se leiloar as licenças para o WiMax, o diretor da BrT manifesta preocupação ao dizer que existe risco de a tecnologia se tornar obsoleta. "Por isso, estamos entrando logo com a tecnologia e só em regiões onde realmente precisamos", afirma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.